Cemitério no DF distribui senhas para enterros e tem aglomeração nos sepultamentos

Cemitério

Reproduzo o relato que recebemos do jornalista Felipe Rodrigues:

Estou no cemitério Campo da Esperança, em Taguatinga [região administrativa do Distrito Federal], neste exato momento.

Minha avó faleceu por covid-19 na noite passada.

Para ser atendido, precisei fazer agendamento.

Só que isso simplesmente não serve para nada – o próprio pessoal da administração daqui informa isso – e você recebe uma senha.

Já passou uma hora e meia do meu agendamento, e do de todo mundo aqui, e não tem previsão de chamarem.

Na porta, os familiares se aglomeram esperando chamarem suas senhas.

Houve um sepultamento agora com dezenas de pessoas quando só poderiam 3.

Não há separação de atendimentos para vítimas de Covid e os demais. Total absurdo.

Detalhe: o termômetro para medir a temperatura de quem entrava na administração não estava funcionando… Estava travado em 33 graus.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!