Certo de que ia dar um show, o presidente da OAB teve o seu dia da vergonha. Por Kiko Nogueira

Lamachia, presidente da OAB
Lamachia, presidente da OAB

 

O presidente nacional da OAB, Cláudio Lamachia, achou que ninguém interromperia seu show na segunda, dia 28, quando foi entregar o pedido de impeachment da entidade a Eduardo Cunha.

Um tumulto aconteceu entre grupos pró e contra o governo. Gritos de “A verdade é dura, a OAB apoiou a ditadura”, referindo-se à posição da ordem em 64, sufocaram o clássico debilóide “A nossa bandeira jamais será vermelha” (espero sinceramente que você nunca precise ser defendido por uma besta que ache normal falar isso em 2016).

Lamachia conseguiu protocolar o documento, mas sem o acompanhamento das câmeras de TV, como estava no script do seu sonho. No início da tarde, ele havia recebido um manifesto, assinado por 140 profissionais, contra sua decisão. Segundo ele mesmo, havia outros dois no mesmo teor.

Apesar do barulho e da evidente insatisfação de muitos dos membros da OAB, ele acha que “não há racha nenhum. Imputo isso a uma leviandade.”

“Tivemos uma votação do plenário do Conselho Federal apreciando um voto que tem mais de 40 folhas e tivemos, ao fim, uma decisão de 26 bancadas contra uma que votou contrária ao ajuizamento do pedido de impeachment da presidente da República. Foi uma decisão democrática, e tomada após mais de 10 horas de debate”, declarou.

Marcello Lavenère, conselheiro e ex-presidente da OAB, contou outra história para Conceição Lemes, do Viomundo. “Na reunião do Conselho da OAB, não houve decisão no sentido de que a Ordem entraria com pedido de impeachment”, afirmou.

“O tom do debate foi outro. O de abrir o processo de impeachment para se poder investigar se a presidenta cometeu crimes ou não. Quase todos se manifestaram sobre a matéria. No final, se decidiu pela aprovação do pedido para fins de investigação e não de um julgamento do processo. O julgamento final será no Senado da República”.

“Só que, infelizmente, depois das discussões, o que a OAB divulgou foi além do que foi efetivamente decidido”, diz Lavenère. Para ele, “o presidente ou a diretoria” tomou uma atitude que não foi aprovada naquele fórum.

Lamachia, um gaúcho boa pinta de 45 anos, já tinha conseguido os holofotes ao agasalhar a condução coercitiva de Lula, a respeito da qual não viu “problema algum”.

“Eu posso dizer que estou, seguramente como todos os brasileiros, também estarrecido com esse fato que hoje nós estamos vivenciando”, ironizou, referindo-se à corrupção no governo.

Preferiu a demagogia ao invés de se deter sobre a aplicação de uma medida que só poderia ser utilizada no caso do cidadão deixar de atender a uma intimação judicial.

O pedido protocolado por Cládio Lamachia é um samba do crioulo doido que foi esmiuçado pelo advogado Ivo Pugnaloni numa carta aberta. Dilma tem de ser cassada “pelo conjunto da obra” (!!???), diria mais tarde à BBC.

Mas chama a atenção a egotrip, a sua vaidade mal disfarçada — que está, afinal, na raiz de seu crime. No texto, ele dá a deixa: “Ulysses Guimarães costumava afirmar que missão não se pede. Aceita-se. Para cumprir com sacrifício, e não proveito”.

Continua: “Ao ser comunicado que a relatoria do presente feito me fora incumbida, não foi outra a frase que me veio à mente. Afinal de contas, dentre tantos notáveis que abrilhantam este colegiado e dele fazem a voz constitucional do cidadão, atribuir a mim (que tenho de idade o que muitos aqui possuem de cátedra) a relatoria de um julgamento histórico, poderia parecer algo inusitado”.

Seu compromisso é se “desincumbir desse mister com honestidade intelectual, isenção política, fundamentos exclusivamente jurídicos e extremo respeito às divergências naturais a um tema palpitante, que traz consigo a passionalidade político-partidária e ideológica comuns a uma discussão que diz respeito ao futuro da Nação.”

Em outras palavras, Lamachia aceitou esse fardo docemente constrangido, como se estivesse se sacrificando — quando, na verdade, está aproveitando uma chance de aparecer e ganhar dividendos com isso.

Se a ideia é combater a “roubalheira”, faz sentido entregar o papelório a um sujeito como Eduardo Cunha? Lamachia tomou carona num momento dramático, jogou gasolina na fogueira, mostrou a divisão na organização que preside e saiu do Congresso em seu tamanho real — qual seja, diminuto.

“É claro que a política não é o ofício da bagatela, a pragmática da ninharia. Quem cuida de coisas pequenas, acaba anão”, disse Ulysses Guimarães. “É terrível o ofício dos que dependem da opinião pública.”

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!