Charge: Bolsonaro e “seu” Exército. Por Miguel Paiva