Cidadão de bem, médico apoiador da Lava Jato é um dos homens presos por se divertirem com sofrimento de cães

O médico em dois momentos: quando posava de moralista no Face e ao ser preso na rinha onde animais eram maltratados e mortos

O médico Leônidas Bueno Fernandes Filho, preso na rinha de cães em Mairiporã, é o que se pode definir como cidadão de bem.

Em seu perfil no Facebook, ele publica mensagens de apoio ao combate à corrupção, com apoio à Lava Jato, memes contra Lula e outras lideranças de esquerda, e até um post indignado com a morte de uma onça que participou de um evento do Exército, no Amazonas.

Ao ser preso, tentou convencer os policiais de que estava ali para buscar um pitbull que lhe havia sido dado de presente.

Ele mora em Goiânia, a quase 1.000 quilômetros de Mairiporã, e foi buscar um cachorro lá?

História que os policiais não engoliram.

Um vídeo gravado no momento da prisão mostra o médico tentando se explicar. Veja abaixo.

Alguém diz a ele, que está sentado num cercado de madeira e com os braços para trás:

“Põe os bichinhos pra brigar, não tem vergonha na cara, não?”

Ele faz sinal de que não estava ali para participar da rinha.

“Estava fazendo o que aqui então?”

O médico responde:

“Eu vim buscar um cachorro, que um amigo deu”.

O interlocutor, supostamente policial, comenta:

“Aqui é tudo santo, os vagabundos são todos santos, a cara dos vagabundos aqui.”

Outro comenta:

“Você vai ver a cela em que você vai parar”.

O suposto policial diz:

“Vai dormir de conchinha agora”.

O outro adverte:

“Olha aqui, vagabundo tem cachorro. A hora em que forem mostradas as fotos dos cachorros, vão falar: ‘olha aqui quem é o responsável’”

Vagabundo é como o policial se refere a preso.

O médico tenta dizer alguma coisa, mas o policial, indignado, não deixa:

“Olha bem para a minha cara.”

Um outro, também revoltado, intervém e diz a Leônidas:

“Cala a boca, só escuta.”

O médico, então, abaixa a cabeça.

“Médico cuzão, médico de bosta, médico de bosta.”

Outro acrescenta:

“Ser humano de bosta.”

Os policiais comentam que ele deveria perder o registro no Conselho Regional de Medicina.

“Você é casado, você tem mãe?”

Evidentemente, os policiais extrapolaram, mas é difícil não conter a revolta diante da cena dantesca que presenciaram.

Havia pitbulls mortos e outros se enfrentando na rinha. Encontraram em uma churrasqueira um pedaço de carne de cachorro.

A suspeita é que eles faziam churrasco com a carne do animal derrotado.

Segundo relato publicado na imprensa, o papel do médico seria ajudar o veterinário que também foi preso a reanimar os cachorros.

Porém, como a especialidade de Leônidas é medicina, é provável que estivesse ali para apostar mesmo.

O que ninguém acredita é que tenha embarcado em um avião em Goiânia, descido em Guarulhos e viajado até Mariporã apenas para pegar um pitbull de presente em uma rinha

Os animais ali estavam feridos, mesmo aqueles que venciam as lutas. Iria levar para casa um cão nessas condições para quê?

Sentido humanitário? Conta outra.

Ao ser preso, como se vê pelo vídeo, Leônidas tentou passar a imagem de bom moço, talvez a imagem que faça de si próprio, com suas postagens moralistas.

Muitas pessoas localizaram o perfil dele no Facebook e, antes que ele retirasse a página da rede, postaram comentários como:

“Vagabundo, lixo de médico, merece o pior, sem vergonha, safado, vontade de socar até desmaiar e depois usar soro para reanimar você. Merece ser empalado”.

“Maldito!!! Vc é um bandido!!!”

Ele foi libertado ontem, depois de pagar fiança.

“Você tem dinheiro, mas nunca vai ter paz, nunca vai deitar a cabeça no travesseiro e dormir.”

O cidadão de bem Leônidas Bueno Fernandes Filho não poderá mais, com certeza, dar lição de moral.

.x.x.x.

Veja o vídeo:

.x.x.x.

Artigo publicado em 17 de dezembro de 2019, republicado agora em razão de ter sido um dos mais lidos do ano passado.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!