Ciro está no melhor momento e Lula tem liderança folgada preso. Por Luis Felipe Miguel

Publicado originalmente no perfil de Facebook do autor

POR LUIS FELIPE MIGUEL, professor da UnB

Eles

Pesquisa eleitoral a tanta distância da votação tem pouco poder preditivo, ainda mais em cenário tão conturbado quanto o brasileiro. Mas é possível extrair algumas conclusões dos números:

– Os 17-18% pontuados por Bolsonaro parecem próximos do teto do candidato fascistizante. É um índice alto e se mostra estável, mas ele é bem conhecido e se encontra diante de um dilema insolúvel. Para atrair o eleitorado mais desinteressado da política, teria que tornar seu discurso menos agressivo, só que aí frustaria a base militante que é seu diferencial.

– Boulos deve estar mesmo patinando em torno do meio ponto percentual que a pesquisa aponta. Porém, bem articulado e com um discurso que se destaca da geleia geral de seus competidores, tem boa chance de crescer com a campanha na TV e os debates.

– Lembrando que Ciro Gomes está no melhor momento de sua campanha, que ele é a bola da vez para a esquerda e para a direita, seus índices são decepcionantes.

– A situação é dramática para Alckmin. Nem a memória de quem já foi candidato presidencial, nem a visibilidade de governador quase eterno do estado mais poderoso da federação conseguem retirá-lo do pelotão dos nanicos. Ao que parece, o judiciário e a mídia podem ter sido bem benevolentes com a corrupção tucana, mas o eleitorado, não.

– O grande nome da eleição de 2018 está submetido a confinamento solitário em Curitiba. A liderança folgada do ex-presidente Lula mostra, uma vez mais, que será muito difícil dotar de legitimidade um governo eleito sem que ele esteja entre as opções apresentadas aos votantes. Qualquer análise que ignore este fato, tomando a interdição à candidatura de Lula como um simples “dado” do qual se parte, é inútil para entender o cenário eleitoral.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube