Ciro Gomes mentiu: Vaza Jato mostrou que Lula trabalhou para evitar o impeachment de Dilma

Veja Lula, Dilma Rousseff e Ciro Gomes
Ciro Gomes acusou Lula de “conspirar” pelo impeachment de Dilma Rousseff
Imagem: Reprodução/TVT

Ciro Gomes está atacando Lula e insinuando que ele permitiu o golpe parlamentar contra Dilma Rousseff em 2016 por suas alianças com o MDB. Uma reportagem da série Vaza Jato, do Intercept com a Folha de S.Paulo, mostra o contrário disso.

LEIA MAIS:

1 – Mundo pode enfrentar crise global nos próximos meses devido a aumento do custo de energia

2 – Baker McKenzie: como o maior escritório de advocacia dos EUA leva a riqueza global para paraísos fiscais

3 – Relatório inédito revela pelo menos 216 mil vítimas de pedofilia da Igreja Católica na França desde 1950

Vaza Jato mostra que Ciro Gomes mentiu sobre Lula

Reportagem de Ricardo Balthazar, Felipe Bächtold, Bruna de Lara, Paula Bianchi e Leandro Demori mostra o seguinte sobre Lula em 8 de setembro de 2019:

“A reportagem teve acesso a anotações dos agentes que monitoraram Lula, com resumos de 22 conversas grampeadas após a interrupção da escuta em março de 2016. Elas foram gravadas porque as operadoras de telefonia demoraram a cumprir a ordem de Moro e o sistema usado pela PF continuou captando as ligações.

Os diálogos, que incluem conversas de Lula com políticos, sindicalistas e o então vice-presidente Michel Temer (MDB), revelam que o petista disse a diferentes interlocutores naquele dia que relutou em aceitar o convite de Dilma para ser ministro e só o aceitou após sofrer pressões de aliados.

O ex-presidente só mencionou as investigações em curso uma vez, para orientar um dos seus advogados a dizer aos jornalistas que o procurassem que o único efeito da nomeação seria mudar seu caso de jurisdição, graças à garantia de foro especial para ministros no Supremo.

As anotações mostram que Lula estava empenhado em buscar uma reaproximação com Temer e o MDB e indicam que seus acenos eram bem recebidos pelo vice-presidente, na época visto como fiador da transição para o novo governo que seria formado se Dilma fosse afastada do cargo.

A PF escutou duas conversas de Lula e Temer. Na primeira, eles marcaram uma reunião para o dia seguinte, e Lula disse a Temer que a rejeição enfrentada pelos políticos numa recente manifestação pró-impeachment mostrava que o avanço da Lava Jato criara riscos para todos os partidos, não só o PT”.

O editor-executivo do Intercept, Leandro Demori, reforçou a afirmação da reportagem nesta quarta (13).

No Twitter:

“Essa tese não se sustenta. Os fatos estão contra ela (a não ser que Ciro apresente novos fatos). Nessa reportagem da Vaza Jato, mostramos como Lula trabalhou ativamente para evitar o impeachment de Dilma (e como Moro manipulou os grampos e a história)”.

E agora, Ciro?