CNN sobre Bolsonaro: o “Trump dos trópicos” bajula e “adula” o presidente dos EUA

Para a CNN, um puxa saco na Casa Branca

A imprensa americana ridicularizou Bolsonaro em seu encontro com Donald Trump.

Para o New York Times, Trump adicionou mais um “amigo autoritário” à sua lista.

A Fox News, em sua entrevista com JB, questionou sua relação com as milícias e com os assassinos de Marielle Franco.

A CNN foi além e afirmou que Bolsonaro puxou o saco (“fawn over”, em inglês) do ídolo de cabelo laranja:

Quando surgiu no outono passado uma conversa sobre o “Trump dos Trópicos” concorrendo à presidência no Brasil, o atual presidente dos EUA, Donald Trump, demonstrou grande interesse.

Na terça-feira, o homem que adotou a persona combativa de Trump – pessoalmente e no Twitter – levou sua adulação à Casa Branca, onde criticou “fake news” e previu a reeleição de Trump durante sua primeira visita oficial ao exterior. (…)

Por enquanto, é uma camaradagem mais baseada em táticas compartilhadas, retórica (no caso de Bolsonaro, misógina e homofóbica) populista e lisonja do que qualquer questão em particular, embora Trump tenha dito que o comércio, as questões de segurança e a crise em curso na Venezuela estavam na agenda.

“Eu acho que houve muita hostilidade com outros presidentes”, disse Trump no Salão Oval, quando a visita começou. “Não há hostilidade comigo.” (…)

“Foi um feito incrível”, disse Trump sobre a vitória de Bolsonaro em outubro. “O resultado final foi algo que o mundo inteiro estava falando.”

Sua contraparte retribuiu prevendo a reeleição de Trump no ano que vem – Trump respondeu com um sorriso e uma modéstia fingida – e enfatizando seu compromisso com valores conservadores.

O Brasil e os EUA, disse Bolsonaro, compartilham um “respeito aos estilos de vida tradicionais e familiares, respeito a Deus, nosso criador, contra a ideologia de gênero, as atitudes politicamente corretas e as notícias falsas”. (…)

Embora questões bilaterais importantes tenham sido discutidas, incluindo a situação da Venezuela, a dinâmica mais observada da visita de terça-feira foi a relação interpessoal dos dois homens, que falaram ao telefone, mas que ainda não haviam se encontrado pessoalmente.

Trump telefonou para Bolsonaro poucas horas depois de ter sido declarado vencedor da eleição de outubro, durante a qual defendeu visões pró-América e pró-Trump.

Isso é uma raridade na América Latina ou na maioria dos outros lugares, e Trump tomou conhecimento, de acordo com o alto funcionário do governo que informou os repórteres antes da visita.

“Alguém disse que lembrou um pouco da nossa campanha”, disse ele sobre o esforço de Bolsonaro, “pelo qual estou honrado”.

Em um mundo de inimigos percebidos, Trump muitas vezes olhou para os líderes que imitam sua própria coragem e desrespeito pelas normas políticas como aliados. Às vezes isso significa cultivar laços estreitos com homens fortes ou ditadores.

Em outras palavras, isso significa um alinhamento estreito com líderes recém-eleitos, como o presidente Emmanuel Macron, da França (embora o antigo relacionamento amistoso de Trump com Macron tenha azedado desde então). (…)

Os dois homens também foram aconselhados por Steve Bannon, o ex-consultor da Casa Branca que rompeu com Trump após deixar a Casa Branca em 2017. Bannon jantou com Bolsonaro em Washington esta semana como parte de um evento maior da embaixada.

Trump não reparou seu relacionamento com Bannon depois de uma separação amarga, dizem pessoas familiarizadas com os dois homens.

Sua viagem a Washington foi a primeira visita bilateral de Bolsonaro ao exterior, disseram autoridades da Casa Branca para ilustrar o compromisso do novo presidente de promover os laços com os EUA. Isso é uma mudança em relação ao passado. (…)

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!