Coach “red pill” cobra até R$ 2500 para dizer a homens que mulheres também são seres humanos

Mito da "manosfera", Thiago Schutz atinge milhões no YouTube atacando feministas

Atualizado em 21 de fevereiro de 2023 às 0:06
Thiago Schutz no programa RedCast
Thiago Schutz no programa RedCast. Foto: Reprodução/YouTube

Em seu site oficial, o coach Thiago Schutz se define como “escritor, palestrante e apresentador”. Ele é da linha dos aconselhadores “red pill”, um grupo de masculinistas que deturpa um conceito que veio do filme Matrix (1999).

É autor dos livros “Das Red Flags”, “Red Pill 2.0” e “Pílulas da Realidade”. Schutz tem uma conta no Instagram chamada Manual Red Pill Brasil, que tem mais de 300 mil seguidores. Ele afirma que seus cortes no YouTube e em redes sociais ultrapassam 20 milhões de visualizações.

Thiago Schutz basicamente culpa as mulheres pelos problemas masculinos e dá conselhos para homens por WhatsApp.

O DCM entrou em contato com o coach para saber o preço de suas mentorias. No site oficial, ele diz que faz uma consultoria exclusiva, rápida ou em grupo, com duração média de uma hora.

Ele faz a “análise da situação apresentada, possíveis caminhos a serem tomados e possíveis resultados que podem ocorrer com base nos caminhos”.  

Schutz cobra R$ 1700,00 por uma única vez via chamada de vídeo e R$ 2500,00 pela consultoria presencial em São Paulo, capital, uma única vez. A duração da sessão é de até 1h30 e os preços via pix para demais localidades são negociáveis. 

O preço dos serviços do coach Schutz
O preço dos serviços do coach Schutz. Foto: Reprodução

Em um corte com mais de um milhão de visualizações, Thiago Schutz diz que o homem “tem que ter cuidado com essa mulher”, “linda por fora, mas que é uma bomba relógio por dentro”.

“Meu amigo, nesse caso você está fodido”, emenda. E explica: “Não tem outro resultado nesse jogo. Não tem como você mudar essa mulher. Não tem como mudar a percepção dela sobre ela. Não tem como você mudar a percepção dela com você, né?”.

“O grande segredo para os homens, sobretudo aqueles que consomem conteúdo red pill, não é deixar de se relacionar com a mulher, mas fazer um filtro com lentes vigorosas para saber que tipo de mulher ele traz para ele. Desde o casual até o relacionamento sério. Porque, cara, hoje até para dormir uma noite com uma mina, você tem que tomar cuidado para não tomar no cu e ir para a cadeia”.

Há outro corte com quase 700 mil visualizações em que Schutz fala sobre mulheres mais velhas. “A mulher que chega batendo no peito que chegou nos seus 30 [anos], que está passando dos seus 30, encara um homem. O cara mais seguro já pode escolher a menina mais jovem, mais gostosa. Ele tem um leque maior de possibilidades”.

“Vai ter a mina que vai baixar a régua dela. Passaram vários caras fodas na minha vida. Não peguei nenhum para namorar. Tomei no cu. Vou baixar a minha régua e encarar o que puder. E tem outro tipo de mulher que ela acha que merece os caras fodas. Essa é a mais chata de todas”.

“Porque ela acha que tem algo para pôr na mesa, ela já rodou na mão de todo mundo, e ela acha que um cara como você tem a obrigação de ficar com ela”, completa.

Thiago Schutz tem participação em programas como RedCast, Submundo Intelectual e Inteligência Magnética, somando algumas centenas de milhares de pageviews. Dá dicas até de “sinais” de quando uma mulher vai trair o homem.

Num vídeo, dá uma bronca no interlocutor inseguro, a quem chama de “bosta”, e explica que mulheres são apenas “seres humanos”. Num outro, fala das vantagens do “zé droguinha” sobre as moças. 

A teoria da red pill já está viralizando com figuras de extrema direita, como o streamer Monark e o youtuber Paulo Kogos. O ex-fundador do Flow diz que eles os “redpillados” estão distante dos “normies” – pessoas que aceitam as normas das sociedade e o avanço do feminismo.

https://twitter.com/psyoprincess/status/1622555304410992642

O que é o “red pill”?

A teoria da red pill de masculinistas vem do filme Matrix, das irmãs trans Lilly e Lana Wachowski, na época irmãos. É inspirada na pílula vermelha entregue pelo personagem Morpheus, interpretado por Laurence Fishburne.

A pílula vermelha desperta o personagem Neo (Keanu Reeves) para o mundo real dominado por máquinas num futuro cyberpunk. O filme foi adotado pela comunidade nerd, fã de games e de ficção científica, e pelos incels – sigla para celibatários involuntários, jovens homens que têm dificuldade com mulheres.

Em maio de 2020, tentando se apropriar do filme Matrix, o empresário de extrema direita Elon Musk, atual dono do Twitter, disse para “pegar a pílula vermelha”. Ivanka Trump, a filha do ex-presidente americano, respondeu ao tuíte: “peguei!”.

A diretora Lilly Wachowski reagiu ao post: “fodam-se vocês dois!”. Sua irmã, Lana Wachowski, lançou o filme The Matrix Resurrections em dezembro de 2021. Embora não seja tão impactante quanto as demais produções, Resurrections é um recado para a extrema direita que tenta sequestrar a obra de ambas.

Um movimento que influenciou a onda “red pill” no Brasil

O masculinismo que ataca mulheres, sobretudo as feministas, não é novidade internacional e muito menos a onda red pill. Há um movimento online chamado Men Going Their Own Way (MGTOW) que ganhou popularidade na alt-right dos Estados Unidos desde 2001 através de um manifesto online.

Essa mobilização americana pode ser traduzida como “Homens seguindo seu próprio caminho”. O MGTOW é um movimento masculinista, anti-feminista, misógino e que prega a separação dos “verdadeiros homens” de mulheres que buscam seus direitos sociais. É conhecido como “manosfera”.

Foi propagado em 2014 por Milo Yiannopoulos, polemista famoso do site Breitbart News, de Steve Bannon, o ex-guru de Donald Trump, e de Andrew Breitbart. O movimento também se mobilizou em redes de incels como o Reddit e outros fóruns anônimos.

Thiago Schutz virou piada entre streamers de esquerda, como Cauê Moura e Luide Matos. Em lives bem-humoradas, Luide chama Schutz de o “cara de terno”. Cauê tira sarro do vídeo do coach reclamando que prefere tomar Campari ao invés de cerveja.

Participe de nosso grupo no WhatsApp clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram, clique neste link