Com medo de Kassab, Temer e de suas bases, destino de Alckmin é morrer na praia

Atualizado em 8 de dezembro de 2021 às 9:30
Veja Geraldo Alckmin
Geraldo Alckmin.
Foto: Sebastião Moreira/EFE

O DCM informou ontem que o pior dos mundos para Alckmin é cair na mão do consórcio Temer e Kassab. Isso aconteceria se ele aceitasse a oferta do ex-prefeito de SP para concorrer ao governo pelo PSD.

Alckmin tem horror de Kassab.

Enquanto ele, introspectivo e de poucos amigos, faz política no varejo, esperando sempre o interlucutor com o pires na condição de pedinte, Kassab vai no caminho oposto: trabalha na base da articulação, mobilizando suas bases conforme seus próprios interesses – lembra que Kassab era ministro de Dilma e pulou para a canoa de Temer 24h após o golpe, em 2016?

Leia mais:

1. Pesquisa mostra Lula na frente e Bolsonaro derrotado até por Moro e Ciro no 2º turno

2. PT tira Márcio França da frente e avisa PSB que não abre mão de Haddad em SP

3. Proposta de reforma de Bolsonaro autoriza calote de patrões em dívidas trabalhistas

Esse é o medo de Alckmin. Como compor um grupo que faz política dessa maneira, ainda mais tendo Temer como chefe?

Não por acaso no grupo de João Doria Geraldo já é tratato como cachorro morto.

“Vaí pra onde? O que sobrou para ele?”, são as perguntas que fazem os simpatizantes agora que o gestor levou as prévias do PSDB – de maneira controversa, diga-se, vamos tratar desse assunto mais à frente.

Geraldo tomou mais um balde de água fria nesta quinte, 8.

O PT já mandou recado para o PSB: não abre mão de Fernando Haddad na cabeça de chapa para o governo de São Paulo.

A decisão joga por terra o desejo de Márcio França, que gostaria de concorrer, e por tabela o de Alckmin, que sonha, mas tem medo de encarar uma chapa como vice de Lula.

O varejo de Alckmin

Alckmin tem medo porque sabe que sua base é contra.

Muito ligado às igrejas católicas e evangélicas, já recebeu recado de que com Lula ele será abandonado pelo clero e por pastores.

Isso para não dizer de prefeitos, vices e vereadores do interior que não aceitam a aproximação com o PT.

Geraldo, na realidade, não tem para onde ir.

Cavou esse destino para si.

A única novidade que apresentou em 30 anos de carreira foi João Doria. O gestor o traiu na primeira esquina. Desde então ele ficou só, não podendo ficar onde está nem tendo para onde ir. Dureza.