Com os vetos às visitas, juíza quer forçar a transferência de Lula, diz advogada de Esquivel. Por Kiko Nogueira

Dilma chega à PF em Curitiba para a visita a Lula que foi vetada

 

Como a turma da Lava Jato, a juíza Carolina Lebbos está conseguindo seus 15 minutos de fama às custas de Lula — e está adorando.

Carolina dá seu recado sobre “quem manda” na República de Curitiba.

Nesta segunda-feira, dia 23, não autorizou a entrada de uma comissão de deputados que queria vistoriar a Superintendência da PF, onde o ex-presidente está detido desde 7 de abril.

Em seu despacho, ela se refere a “requerimentos de visitas que abrangem mais de uma dezena de pessoas, com anuência da defesa, sob o argumento de amizade com o custodiado”.

Havia solicitações de Dilma Rousseff e Gleisi Hoffmann.

Também deu bola preta para Suplicy e, antes dele, o prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel, Leonardo Boff e Ciro Gomes.

Lula, por separado dos demais, não sofre “qualquer risco para a integridade moral ou física”.

Carolina está dando seu show como protagonista na novela. Fica investida das cores de Moro e ganha os aplausos da claque antipetista na imprensa.

Como relatado no DCM, a inflexibilidade é seletiva e tem prazo de validade.

No último dia 11, a defesa de Pedro Barusco, executivo da Petrobras e delator, solicitou e a magistrada de pronto acatou um pedido para que ele não tivesse mais obrigação de usar tornozeleira eletrônica.

Para justificar sua decisão, alegou que o cumprimento da pena sob o novo regime baseia-se na “autodisciplina e senso de responsabilidade” do condenado. 

Carolina Lebbos é dona de Lula hoje. Tem sob si o preso político mais importante das Américas. Está empoderada.

“Ela está violando o artigo 41 da Lei de Execução Penal e as Regras de Mandela”, diz a advogada Tânia Mandarino, que está prestando apoio jurídico a Esquivel.

Segundo Tânia, o recado de Carolina é claro: ali o petista não pode ficar.

“É uma jogada de xadrez que vai culminar com a transferência do Lula para algum lugar que ninguém tem ideia de qual seja”.

A doutora Carolina também não sabe ao certo. Mas quem manda sabe e quando chegarem as ordens ela vai saber obedecer.

A juíza Carolina Lebbos e um dos visitantes de Lula que vetou, Leonardo Boff

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!