Como a direita burra abraçou a islamofobia num país com apenas 35 mil muçulmanos. Por Willy Delvalle

Esta reportagem está sendo republicada

“Eu sou brasileiro e estou vendo meu país ser invadido por esses homens-bomba miseráveis, esquartejados, que mataram crianças, adolescentes. Justiça! Vamos expulsar ele! Cadê o prefeito? O governo do estado?”

As palavras foram um ataque recente a um refugiado sírio que vendia salgados em sua barraca no Rio de Janeiro. Seu nome é Mohamed Ali. E essa parece ser a sua sina.

Afinal, também foi um Muhammad Ali que fez história no século XX não só pelo seu trabalho – o de um dos mais talentosos pugilistas da Terra, mas por enfrentar o racismo em um país segregado entre brancos e negros.

Mohamed Ali precisa enfrentar a resistência de uma parcela da sociedade. Resistência que tem nome, islamofobia.

Quem acha que a agressão a Mohamed foi um caso isolado se engana. Após o atentado à revista francesa Charlie Hebdo, em 2015, mulheres e homens muçulmanos vêm sendo xingados, apedrejados e tendo pertences danificados em diferentes lugares do Brasil.

Mesquitas foram vandalizadas. Em cidades do Paraná, estado com forte presença muçulmana, relata-se a pixação de uma estrela de Davi, símbolo do Estado de Israel, o arremesso de um balde de fezes humanas contra o pátio de uma mesquita e o cântico de hinos israelenses em frente a templos sagrados muçulmanos. Ataques e provocações que não aconteceram apenas do lado de fora.

Refugiado sírio de Alepo, um dos focos mais violentos da Guerra na Síria, Abdulbaset Jarour, 27, conta que foi agredido dentro de casa por vizinhos, em São Paulo.

Ele conseguiu chamar a polícia. “Aqueles que me bateram falaram que eu sou um terrorista, um homem-bomba, que iria explodir o condomínio. Eu não saí do meu país para passar por isso aqui. É muito triste”, relata.

Sua aparência se transformou num de seus maiores obstáculos. Sem conseguir emprego fixo por muito tempo desde que veio para cá, conta que alugou um carro para trabalhar como motorista do Uber. Não contava com a reação dos passageiros.

“Muitas pessoas cancelam a viagem quando veem o meu nome, quando veem a minha foto. Alguns que entram no carro começam a me olhar estranho. E perguntam: ‘por que seu nome é estranho?’ Respondo que sou árabe. Começam a ficar nervosos”.

Ele lembra de uma passageira que sugeriu que tirasse a barba. “Eu respondi: essa é a minha vida, tem brasileiros que têm o dobro da minha barba. Ela disse: ‘mas você é árabe, é diferente, não pode’”.

Certa vez, recorda, duas passageiras se beijavam em seu carro. “Não estavam nem aí. Perguntaram sobre meu nome. Falei que sou árabe. Me desvalorizaram e me avaliaram com 1 estrela. Antes de descerem, foram muito grossas comigo e bateram forte a porta do carro, só de saber que sou árabe”.

Abdulbaset também não esquece do que era para ser um almoço na casa de uma amiga. “A gente se sentou. A minha amiga me apresentou para a amiga dela, que olhou pra mim com uma cara estranha e me falou: ‘por favor, não mata a minha amiga!’ Eu deixei o almoço e fui embora. Fiquei muito triste”.

Não é diferente na internet. “Uma pessoa me mandou no Facebook: ‘Oi, tudo bem? Posso te conhecer?’ Eu falei: sim! Ela disse: ‘Você é da onde?’ Eu falei: Sou árabe, da Síria. Ela falou: ‘seu mentiroso! Você não é árabe, você é sírio. Sai do nosso país, vocês o estragam!’”

Não é diferente nem nas palestras que dá. “Eu falo: o que eu sou pra vocês, como árabe, muçulmano? A maioria fala: terrorista. Pergunto: o que é terrorista pra vocês? Ninguém responde”.

Mito

O que Mohamed Ali e Abdulbaset Jarour viveram no Brasil não é uma novidade na história do Brasil. E põe em xeque a fama do brasileiro de ser um povo acolhedor e pacífico.

Fama que, na visão de Anaxsuell Fernando, não passa de um mito, que surge com intelectuais como Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda e se consolida no imaginário social por meio do cinema. “Essa compreensão da realidade ajudou a dissimular o racismo, o sexismo e as mais distintas formas de violência cotidianas”, afirma.

Diferentemente da África do Sul e dos Estados Unidos, onde até algumas décadas atrás a hostilidade era institucional e explícita, o antropólogo explica que a violência brasileira se consolidou “de um modo mais cínico”.

“Ela existe no cotidiano e no narcisismo das pequenas diferenças. De maneira que grupos minorizados socialmente vivenciam todos os dias experiências de violência, inclusive por parte do próprio Estado”, analisa.

“Não existe uma demarcação visível da xenofobia, como um muro físico, mas existem muros simbólicos que separam pessoas por causa do seu gênero, raça, origem ou orientação sexual. E este discurso pode, eventualmente, ganhar contornos religiosos e morais”, explica.

Segundo Fernando, também é falsa a ideia de que o Brasil é um país muito diverso religiosamente. “O Brasil é profundamente religioso mas sem perder de vista que somos majoritariamente cristãos”, afirma.

Abdulbaset Jarour, agredido em sua casa em SP

Segundo o censo do IBGE, enquanto os católicos eram em 2010 mais de 120 milhões no Brasil e os evangélicos, mais de 42 milhões, os muçulmanos beiravam os 35 mil. “Os cristãos somam cerca de 86% da população (64% católicos e 22% evangélicos). Podemos falar em diversidade cristã, mas não em diversidade religiosa”, observa Anaxsuell Fernando.

E nesse grupo, segundo o professor, a intolerância religiosa é uma marca desde a chegada dos colonizadores. “Já nos primeiros anos de colonização, a incapacidade de convívio teve como alvo as diferentes culturas indígenas. As chamadas reduções indígenas foram uma maneira encontrada para circunscrever as populações indígenas na crença correta, neste caso, a fé cristã”.

Depois, com a escravidão de povos africanos, veio a intolerância contra suas religiões, “que serão associadas a práticas demoníacas”.

“Com o fluxo migratório de pessoas de tradição protestantes, a incapacidade de convívio com a diferença se faz novamente presente. São fartos os relatos de grupos cristãos minoritários discriminados e marginalizados em razão das suas crenças”.

As comunidades islâmicas no Brasil, afirma, “vivenciam aquilo que vários outros grupos religiosos experienciaram noutros momentos. Obviamente, em intensidade e natureza distintas”.

Política

Se depender de setores da política brasileira, ataques como os sofridos por Mohamed e  Abdulbaset poderão ganhar proporções ainda maiores.

Em fevereiro deste ano, o deputado Jair Bolsonaro (PSC), segundo colocado em diversas pesquisas de intenção de voto para presidente no ano que vem, fez um discurso no mínimo “contundente” contra minorias.

Contrariando a Constituição Brasileira de 1988, ele disse:

“Essa historinha de Estado laico não. É Estado cristão. Vamos fazer um Brasil para as maiorias. As minorias têm que se curvar. A lei deve existir para defender as maiorias. As minorias se adequam ou simplesmente desapareçam!”

Ovacionado a cada frase por uma plateia majoritariamente masculina, seu nome era erguido em bandeiras do Brasil.

O canal Religião e Política, que publicou o discurso no YouTube, foi mais específico dois meses depois. Em abril, postou “Treinamento da Síria para invadir Israel”, vídeo em que homens armados aparecem fazendo supostos disparos numa região remota, onde derrubam uma pequena bandeira de Israel. No momento em que os supostos sírios falam, suas vozes são sobrepostas por uma música que impede a compreensão do que dizem.

Para Anaxsuell Fernando, professor e pesquisador de Antropologia da Religião na Unila (Universidade Federal da Integração Latino-Americana), a emergência de figuras como Bolsonaro reflete o avanço do neoliberalismo sobre a democracia, “dissolvendo a estrutura estatal e instituindo o discurso do medo, principal veículo do conservadorismo”.

Ele recorre ao intelectual português Boaventura de Sousa Santos para dizer que em nome da liberdade de expressão, permite-se a ascensão de comportamentos e atitudes que cerceiam a democracia. “Estamos vivendo em um contexto social politicamente democrático e socialmente fascista”.

Xenofobia

No último dia 29 de julho, Bolsonaro compartilhou um vídeo da Hebraica, sobre o qual escreveu: “Minha continência ao Estado de Israel”.

No vídeo, diz-se que, apesar dos muçulmanos defenderem a sacralidade de Jerusalém, ela não é citada nenhuma vez no Alcorão, livro sagrado para o Islã. Também defende que os judeus chegaram primeiro. Que, sob o domínio muçulmano, as outras religiões eram consideradas infiéis. Que se a cidade fosse realmente sagrada, por que os islâmicos rezariam voltados para Meca, e não para Jerusalém, como fazem os judeus?

O vídeo foi compartilhado por mais de 8.400 pessoas e visualizado quase 390 mil vezes. O deputado Flávio Bolsonaro (PSC) foi uma das 19 mil pessoas que reagiram, entre aqueles que curtiram, amaram ou se surpreenderam.

Ibrahim Alzeben, embaixador da Palestina no Brasil, condena a postura do deputado por compartilhar esse tipo de conteúdo. “Como ser humano, ele está incentivado a xenofobia e o fanatismo. Palestina é a Terra de Canaã. Se ele acredita na Bíblia e volta ao capítulo Êxodo, vai perceber que nós estávamos ali, os palestinos”, diz.

“Para nós é uma grande honra, ao contrário do que foi dito, Jerusalém ser o berço de três religiões”, afirma. Ele esclarece que a única religião que, de fato, nasceu na Palestina foi o cristianismo e que judaísmo e islamismo se desenvolveram no local, mas não nasceram nele.

“Se vamos falar de direitos históricos e religiosos, eu acho que a esta altura do campeonato, se o Brasil pertence aos portugueses ou aos guaranis, eu acho que o ser humano tem que crescer um pouco e pensar alto”, ironiza. “Mais quando um deputado representa o povo”, critica. Para Ibrahim Alzeben, o papel das lideranças políticas é fomentar a paz, não o conflito.

O embaixador ressalta que a Palestina é importante para todos, sejam cristãos,  muçulmanos e judeus. “Não podemos negar nunca o direito religioso a ninguém. Quanto a direitos racionais, temos que separar política de religião. A Palestina é território dos palestinos”.

Ualid Rabah, diretor de relações institucionais da Federação Árabe-Palestina do Brasil (FEPAL), também rebate as informações apresentadas na página de Bolsonaro. Explica que Jerusalém é citada no Alcorão e que estudos apontam que a origem dos palestinos está relacionada aos cananeus, povo que foi morar na região há mais de dez mil anos.

“A Palestina é um caso único de limpeza étnica na história da humanidade, não que não tenha havido outras, mas elas foram em território contíguo, entre povos que disputavam terras há séculos ou milênios”, observa.

No caso palestino, afirma, a limpeza étnica é executada previamente “contra uma população autóctone em que sua metade é expulsa para no seu lugar ser colocada uma população de várias partes do mundo”.

Para Rabah, que também integra coletivos de combate à islamofobia, quem adesiva-se de Bolsonaro ou vota nele não é sério ou adere a um genocídio programado. “Não é possível ser levado a sério um sujeito que defende, inclusive publicamente, extermínios, submissão de minorias, subtração de direitos dessas minorias”, afirma.

Segundo o ativista, trata-se do discurso de um “bandido, que reproduz o que há de pior no fascismo europeu, que levou às limpezas étnicas e às distorções fora da Europa na forma colonial e dentro da Europa na I e na II Guerra, sem contar as guerras dentro da Europa séculos anteriores com europeus matando europeus”.

Rabah acredita que o discurso do deputado é comparável ao de grandes tiranias na história da humanidade, como no caso de Adolf Hitler, que liderou o nazismo na Alemanha durante a II Guerra Mundial; Benito Mussolini, líder do fascismo na Itália antes e durante o mesmo período; o apartheid na África do Sul e a escravidão de negros daquele continente para outras partes do mundo.

“O que o Bolsonaro não entende e nunca vai entender é que Mussolini era tão cristão quanto ele. Que Hitler era tão cristão quanto ele. O que esse louco nunca vai entender é que o regime do apartheid na África do Sul e todos os crimes cometidos a pretexto de que os negros eram inferiores, inclusive a escravização de 150 milhões de pessoas no curso de dois, três séculos, foi feita por cristãos brancos, europeus e ocidentais iguais a ele. Gente que se diz cristã e não é. São bandidos”, acusa.

“É um sujeito que deveria estar preso, não falando para uma plateia e ser ovacionado, menos ainda ser recebido na Hebraica. Pra você ver a que grau de degeneração ideológica e humana parcela da liderança judaica sionista chegou”, afirma.

Hebraica

Rabah se refere a uma palestra do deputado, convidado pela Hebraica do Rio de Janeiro em abril deste ano. O próprio convite foi condenado por lideranças judaicas e alvo de protestos.

No vídeo, Bolsonaro defendeu que não se pode “abrir as portas para todo mundo”, em referência aos refugiados.

Ualid Rabah acredita que Bolsonaro é só a ponta de um iceberg. No caso da islamofobia, o diretor de relações institucionais da FEPAL afirma que a origem do preconceito está em “setores pentecostais e neopentecostais que se apresentam como cristãos e evangélicos”

Segundo ele, esses grupos religiosos vinham disseminando o horror ao catolicismo, espiritismo e matrizes de origem africana, e há cerca de vinte anos o fazem em relação ao islã. Esse discurso estaria sendo utilizado, por exemplo, aponta Rabah, na Igreja Universal do Reino de Deus.

De acordo com o ativista, essa prática teria começado há cerca de vinte anos, “quando começam associar a leitura do Velho Testamento à defesa de Israel. Em tempos mais recentes, eles começam a ter vínculos diretos com todas as organizações representativas da comunidade judaica no Brasil, como a CONIB (Confederação Israelita do Brasil)”.

Ele defende que essa articulação se junta à extrema direita da política brasileira, mas chega até a esquerda, no caso do deputado Jean Wyllys (PSOL).  “Ele diz defender os direitos do palestinos, mas é incrível como acentua a criminalização dos mesmos, e de todos os muçulmanos, por meio do que alega ser a criminalização, por estes todos, dos LGBT. E faz isso se associando a Israel”, afirma.

Rabah fala das críticas que o congressista teria feito a um evento muçulmano há pouco mais de uma semana. “Fica evidente sua islamofobia quando se associa, acriticamente, na criminalização do evento muçulmano promovido em São Paulo. É como se tivesse cumprido uma pauta previamente determinada”, diz.

Mídia

A comunidade muçulmana vem sendo submetida a uma intensa exposição midiática, especialmente a partir de 11/09, observa Anaxsuell Fernando. “Tem forjado uma imagem pública repleta de estereótipos não correspondentes às crenças islâmicas abraçadas pela maioria de sua população”, afirma.

Exemplo de preconceito seria a visão construída em torno do hijab (véu). “No Brasil, tais ações sustentam-se em generalizações enganosas ou percepções religiosas equivocadas dos símbolos religiosos. O hijab tem sido superficialmente associado a opressão das mulheres”.

Para Ualid Rabah, nenhum setor é tão eficaz na disseminação do preconceito quanto a grande mídia brasileira. “Os veículos de comunicação de massa são os primeiros responsáveis pela islamofobia e toda a intolerância reinante no Brasil”.

Desde que chegou ao país, Abdulbaset observa que a mídia brasileira mexe muito com a mente do povo. “O que os EUA querem fazer, os brasileiros gostam. O que a mídia mostrar, o brasileiro vai guardar”, aponta. Diz que no Brasil o que se fala do mundo árabe é por meio de documentários sobre terrorismo e algumas novelas. “Mas se você perguntar para os brasileiros que sabem sobre os árabes, não conhecem nada, não sabem onde fica a Síria”.

“Quando Israel ataca a Palestina e destrói os palestinos, por que não se diz ‘o aviador judeu conduzindo…’? Por que não se associa o credo judaico aos crimes de Israel? Primeiro, eles disseram que o islamismo é uma coisa ruim. Para isso, estão utilizando as correntes pró-Israel”.

Para Ibrahim Alzeben, embaixador da Palestina no Brasil, a visão israelense sobre os fatos prevalece por uma questão econômica. “Eu não tenho recursos para publicar”, afirma. Os veículos de comunicação, aponta ele, não querem contrariar os interesses das empresas que os patrocinam. “Eles têm medo de publicar, de que as grandes empresas deixem de fazer anúncios”.

Recentemente, o blog de Rodrigo Constantino, da Gazeta do Povo, publicou um artigo com o título: “Família do homem acusado de matar judeus vai receber $3 mil por mês de autoridade palestina”. A abordagem foi interpretada como islamofóbica.

“Não é uma recompensa”, esclarece o embaixador Ibrahim Alzeben. Ele afirma que, como em qualquer lugar do mundo, é dever do Estado amparar seus cidadãos. “O Estado Palestino não incentiva atos violentos”.

“A notícia da forma como é apresentada, a promoção da islamofobia, da Palestinofobia, da muçulmanofobia, a Gazeta do Povo está participando dessa orquestra”, critica Ualid Rabah.

Sonhos e frustrações

Há três anos no Brasil, Abdulbaset não veio exatamente por uma escolha. Ele conta que foi aqui que conseguiu refúgio depois de passar por três consulados no Líbano, seu destino após servir o exército em Damasco e ter sua base bombardeada por Israel.

Com várias fraturas pelo corpo, foi tratado. Em fevereiro deste ano, sofreu uma cirurgia. Mas com dificuldades para agendar um tratamento no joelho via SUS e sem recursos financeiros, sua saúde está debilitada. Longe dos familiares, sente saudades e sonha em se juntar a eles.

Sonha também em ter o próprio negócio, como tinha na Síria, levar uma vida confortável, aprender português, fazer uma faculdade de artes cênicas, jornalismo ou relações internacionais, casar e criar uma família.

Sem perspectivas aqui, no entanto, cogita ir embora, talvez para o Canadá ou a Austrália. “Mas eu amo o Brasil.  Tenho amigos maravilhosos. Uma parte de mim quer ficar para sempre.”

Respostas

A nossa reportagem questionou a CONIB (Confederação Israelita do Brasil) sobre as acusações de fomento à islamofobia no país.

Em nota, a instituição afirma que sempre defendeu o diálogo inter-religioso e o combate a toda forma de discriminação, inclusive a islamofobia.

“É preciso tomar cuidado para que o necessário e imprescindível combate à islamofobia não se transforme em pretexto para propagar acusações mentirosas contra minorias e cometer crimes semelhantes, como o antissemitismo”.

Sobre a crítica de Ualid Rabah a parte da liderança judaica, a CONIB aponta o uso da palavra “degenerada” para acusar a comunidade judaica brasileira como sendo o mesmo termo usado pelos nazistas para atacar a arte moderna e muitos dos artistas judeus da época.

Em nota, a Igreja Universal do Reino de Deus declara que repudia com veemência “todo ataque à fé ou às crenças dos adeptos de qualquer religião, até porque são nossos fiéis as maiores vítimas do preconceito religioso no Brasil”. 

Menciona estar presente em mais de 110 países, muitos dos quais de maioria islâmica: “Em todos eles, cumprimos nossa missão evangelizadora e social com total respeito às leis, às normas e costumes locais”.

Diz que, “além absurda, a acusação de ‘islamofobia’ é criminosa. Espera-se que o entrevistado citado pelo jornalista explique como elaborou uma conclusão tão monstruosa, pois nunca uma só palavra neste sentido foi defendida em qualquer templo ou veículo oficial da Universal na TV, no rádio, jornal, livro ou Internet”.

A Hebraica do Rio de Janeiro foi questionada sobre o convite a Jair Bolsonaro para palestrar a sua comunidade, mas não respondeu.

Jair Bolsonaro, Marco Feliciano e Jean Wyllys não se manifestaram sobre as críticas que lhes foram feitas.

Abdulbaset afirma que uma investigação foi aberta contra seus agressores, que estão livres.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!