Como Hitler morreu, segundo testemunhas do bunker do führer

Soldados do Exército Vermelho posam com um suposto cadáver de Hitler após a conquista de Berlim

Foi num 25 de outubro do ano de 1956 que se declarou oficialmente a morte de Adolf Hitler.

Em 2010, a revista alemã Der Spiegel deu uma bela matéria sobre esse cadáver que, sob diversos aspectos, continua insepulto.

A Segunda Guerra Mundial terminou em 8 de maio de 1945. A Alemanha capitulou, o “Führer” morreu. Tudo está claro da perspectiva de hoje.

Mas foi apenas em 25 de outubro de 1956 que o tribunal distrital de Berchtesgaden declarou oficialmente a morte do “Führer”.

Isso foi precedido por uma investigação detalhada, durante a qual mais de 40 testemunhas foram ouvidas, incluindo o ajudante de Hitler Otto Günsch e seu valete Heinz Linge. Os dois foram os primeiros a entrar nos quartos privados de Hitler no “Führerbunker” da Chancelaria do Reich após o suicídio do ditador em 30 de abril de 1945, junto com Martin Bormann, chefe da chancelaria do partido, que desapareceu poucos dias depois.

Mas permaneceu desconhecido por mais de 50 anos que as declarações espetaculares das duas testemunhas Linge e Günsch foram registradas na época. As fitas ficaram armazenadas nos arquivos do estado de Munique por anos, mas não havia uma maneira técnica de reproduzi-las.

Agora, os documentos-chave na controvérsia em torno do fim do “Führer” foram amplamente restaurados especialmente para a “Spiegel TV” e podem ser disponibilizados ao público pela primeira vez.

As vozes de ambos os confidentes de Hitler no passado soam assustadoramente claras. “Quando entrei, Hitler estava sentado no canto direito do sofá”, disse o criado Linge, descrevendo o momento em que descobriu o cadáver.

Hitler estava com a “cabeça inclinada ligeiramente para a frente e havia uma marca de bala na têmpora direita que era do tamanho de uma moeda de um centavo”.

Só raramente Heinz Linge e Otto G deram a jornalistas ou historiadores informações sobre o fim de Hitler no bunker. Acima de tudo, o ex-ajudante G Greetings rejeitou a maioria das investigações até sua morte em 2003; nenhum vídeo ou gravação de som fora feita dele até agora. As fitas são ainda mais importantes porque os dois ex-SS-Sturmbannführer testemunharam sob juramento na época.

A morte de Hitler: a voz das testemunhas

Acima de tudo, as memórias de Günsche acabam sendo extremamente detalhadas. “Hitler estava sentado em uma poltrona”, relatou aos investigadores. “A cabeça caída sobre o ombro direito, a mão pendurada frouxamente. No lado direito, uma marca de bala.” Assim, o judiciário da Alemanha Ocidental finalmente seguiu sua descrição da natureza da cena do crime e da cremação dos cadáveres de Hitler e Eva Braun.

Às 15h30 do dia 30 de abril de 1945, o “Führer e o Chanceler do Reich” e sua esposa recém-casada se suicidaram no bunker da Chancelaria do Reich – é assim que está nos livros de história. Mas por muito tempo houve dúvidas.

Desde maio de 1945, os serviços secretos e a polícia procuravam o ditador em todo o mundo, seguindo todas as pistas, por mais absurdas que fossem. Às vésperas da Conferência de Potsdam, Josef Stalin anunciou em julho de 1945 que não sabia onde Hitler estava; o ditador derrotado estava na Espanha ou na Argentina.

Oficiais soviéticos em nome de Stalin alimentaram repetidamente dúvidas sobre a teoria do suicídio e cremação que testemunhas próximas de Hitler registraram para investigadores britânicos e americanos – após o que os aliados ocidentais contrataram seus serviços secretos para investigar.

Pistola de Hitler

O FBI também seguiu inúmeras pistas. O chefe, J. Edgar Hoover, disse às autoridades que o ditador havia escapado em um submarino alemão e estava morando em um rancho na América do Sul. Tudo isso, conforme documentado pelos arquivos, foi meticulosamente investigado. Uma versão particularmente absurda da fuga de Hitler persiste até hoje: um submarino trouxe Hitler para a Antártica, onde seus ajudantes já haviam explorado um refúgio na Terra da Rainha Maud, que a Noruega reivindicou, no final da década de 1930.

Onde está Hitler?

O Tribunal Distrital de Berchtesgaden então abriu uma investigação em 1952 no caso de Adolf Hitler e reexaminou todos os detalhes. Um tribunal de Munique há muito havia dado toda a fortuna do ditador ao Estado da Baviera – mas isso era legalmente complicado, pois ele nunca havia sido declarado morto. Afinal, tratava-se de propriedades valiosas em Munique e em Obersalzberg. A Baviera também recebeu inicialmente os direitos de seu livro “Mein Kampf”.

Embora os escritórios do promotor público em Berlim e Viena também tenham demonstrado interesse no assunto, o processo permaneceu em Berchtesgaden – a Baviera estava ansiosa para garantir a maior parte da herança.

O juiz do tribunal distrital Heinrich Stephanus ouviu inúmeras testemunhas, em alguns casos proeminentes, incluindo os secretários de Hitler e o ex-“Reichsjugendführer” Artur Axmann, que supostamente entregou a pistola com a qual Hitler se matou.

O crânio do “Führer”

O valete de Hitler, Linge, e seu ajudante Otto G Greetings inicialmente não puderam questionar os investigadores de Berchtesgaden – eles foram considerados desaparecidos no início dos anos 1950. Na verdade, os dois estavam sob custódia soviética desde o fim da guerra. Günsch foi libertado para a RDA em 1955 e imediatamente partiu para a República Federal.

Linge também só pôde retornar à Alemanha com os últimos prisioneiros de guerra alemães em 1955, após a visita do chanceler Konrad Adenauer a Moscou – e foi questionado sobre as circunstâncias que envolveram a morte de Hitler.

As autoridades soviéticas não admitiram até 1970 que os restos mortais de Adolf Hitler e Eva Braun foram exumados por eles no jardim da Chancelaria do Reich no início de maio de 1945 e identificados com base em esquemas odontológicos.

Em 2000, o serviço secreto russo apresentou um fragmento de crânio e um pedaço de maxilar como os restos mortais de Adolf Hitler para eliminar os rumores de que o “Führer” havia escapado com vida de Berlim em maio de 1945. Aconteceu o oposto: um cientista americano afirmou em 2009 que os supostos ossos de Hitler pertenciam a uma mulher.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!