Como o DCM fez o G1 mudar sua política de comentários

0,,11542187-EX,00

Os editores da Globo ouviram o DCM. Foi estancada uma das maiores fontes de aberrações no mundo digital brasileiro: os comentários do G1.

Isso aconteceu dias depois de termos dado algumas matérias sobre o tema.

Tinha me chamado a atenção, particularmente, um comentário em que um leitor dizia, sem nenhum constrangimento, que já era hora de entrar na casa de políticos como Genoino e matar as pessoas.

Escrevi um texto. Perguntei: os acionistas não lêem este tipo de coisa? E os editores? E os anunciantes? Que anunciante quer ver sua marca associada a leitores facínoras?

E depois agi como repórter.

A Globo é espantosamente desorganizada – fruto do monopólio e da reserva de mercado, coisas que minam a boa administração. Numa maratona telefônica em que sucessivas pessoas me passavam para gente que dizia nada a ter com o assunto, cheguei enfim ao editor-chefe do G1.

Perguntei qual era a política de comentários do site, e ele disse que não poderia falar nada. Era assunto da Central Globo de Comunicação, a Cegecom.

Falei enfim com uma funcionária, que me pediu que colocasse a questão num email, que ela responderia depois.

Bem, jamais veio a resposta.

Narrei minha epopeia num outro texto sobre o assunto, no qual disse o óbvio: que o G1 tinha que ser responsabilizado criminalmente pelas barbaridades que publica.

Minha passagem pelo Conselho Editorial da Globo me mostrou que com meia hora, se tanto, de conversa numa das reuniões de terça se poderia resolver o problema.

No DCM resolvemos isso em minutos, ao decidir adotar a moderação proporcionada pelo sistema Disqus, um dos mais prestigiosos do mundo.

Dias depois de meu texto, um leitor do DCM nos avisou que ao G1 fechara a porta – ou ao menos uma das portas – para os criminosos digitais que semeiam ódio na internet.

A opção do G1 foi precária e preguiçosa, é verdade, mas pelo menos o horror foi estancado. Em vez de moderar as mensagens, o G1 deixou de habilitar os comentários em textos que os maníacos vão certamente infestar de coisas torpes.

Se você for, por exemplo, a qualquer matéria sobre Joaquim Barbosa ou Dirceu, não terá como fazer comentários.

Não é a melhor solução do mundo, mas é um avanço sobre a política de portas escancaradas para celerados.

Os melhores sites do mundo moderam, e uma hora, se quiser ter qualidade, o G1 terá que seguir este caminho também. Do jeito atual, os mal-intencionados estão banidos dos debates, mas os demais também.

A Globo demorou para se mexer. Faltou excelência editorial que levasse à questão básica: se na tevê, no rádio e no jornal não publicamos comentários criminosos, por que na internet o fazemos?

Este fundamento não muda, qualquer que seja a mídia. O Globo, o jornal, publicaria em sua seção de cartas uma que pregasse o assassinato de Genoino, ou de quem for?

O DCM se orgulha de haver contribuído para melhorar a internet brasileira. É previsível que outros sites enfrentem este problema também.

Os psicopatas digitais não podem ter livre acesso na internet brasileira.

Empurrado pelo DCM, o G1 se movimentou. Fez menos do que deveria, mas enfim se mexeu.

E isto é bom.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!