Como surgiram os jornais

Para os franceses, Renaudot fez o primeiro jornal do mundo, em 1632

Onde surgiram os jornais? Quando? E por quê?

O escritor Isaac Disraeli, pai de um grande primeiro ministro britânico da era vitoriana, traz luzes ao tema num livro de curiosidades de mais de 130 anos de existência.

Disraeli dá o crédito da inovação aos italianos de Veneza, no século XVI. O jornal era publicado pelo governo para manter os cidadãos a par dos acontecimentos. Era conhecido como “gazetta”, o nome de uma moeda barata local. O jornal, mensal, custava uma “gazetta”.  Os primeiros jornalistas eram chamados, na Itália”, de “menanti”, uma derivação da palavra latina “minantis”, que significa “ameaçadores”.

A fama dos jornalistas vem de longe, como se vê.

Disraeli conta que, no Reino Unido, o primeiro jornal apareceu na época em que o país estava sob a ameaça da Armada da Espanha, em 1588. O nome era “Mercúrio Inglês”. Como no caso de Veneza, o “Mercúrio Inglês” foi obra do governo — o da rainha Elizabeth. O  interesse era inflamar os ingleses contra os espanhóis. O jornal inventou coisas como a intenção da Espanha de matar a rainha. Também disse que os espanhóis levavam nos navios instrumentos de tortura para aplicar contra os ingleses. A palavra inglesa para jornal se transformou. Era, inicialmente, “news-book”, assim mesmo, com hífen. Depois, virou “newspaper”.

Os franceses contestam que foram os italianos que inventaram os jornais. Segundo eles, o primeiro jornal foi feito por um médico de Paris,  Théophraste Renaudot, em 1632. Para entreter seus pacientes, entre os quais estava Luís XIII, ele colecionava histórias. Num determinado momento, percebeu que sua vida ficaria mais fácil se as imprimisse e distribuísse aos pacientes. Logo o jornal foi aberto para o público em geral. O nome — “La Gazette”, como os jornais de Veneza – sugere que os italianos chegaram antes que os franceses à constatação de que havia mercado para notícias.

No Brasil, apenas em 1808 surgiria o primeiro jornal, o “Correio Brasiliense”, impresso em Londres e distribuído na colônia por Hipólito José da Costa. Pouco depois, ainda em 1808, apareceria o primeiro jornal impresso no Brasil. O nome remetia aos venezianos: “Gazeta do Rio de Janeiro”.

Chegamos, como de hábito, tarde – mas nossos jornalistas rapidamente conquistariam a fama de “menanti” de seus colegas estrangeiros.