Concursos de miss, viagens, “drinques”… a vida louca do assessor de Bruno Covas pego com R$ 102 mil em Congonhas

Mário Welber apresenta o Miss Rio Preto

 

“Quando estamos ao lado da verdade, a verdade nunca deixa de estar ao nosso lado. Um brinde à vida!”

A frase postada em sua página no facebook, nesta quinta, 3 de agosto, ilustrada pela foto de um drink no Outback de São José do Rio Preto, é o último sinal de vida nas redes sociais de Mário Welber Bongiovani.

Depois disso, o ex-assessor do prefeito de São Paulo, Bruno Covas, sumiu.

Colegas jornalistas de Rio Preto contam que Welber chegou a atender o celular, mas fingiu que a ligação estava ruim e desligou o aparelho quando notou que se tratava de alguém disposto a falar sobre a sua situação com a Justiça.

Mário Welber é o radialista que em 2014 ficou famoso ao ser preso no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, levando na pasta R$ 102 mil em dinheiro vivo e um envelope com 16 cheques e um cartão de campanha de Bruno, que na ocasião concorria ao cargo de deputado federal.

A celebração embalada por drink no Outback faz sentido.

Quatro anos depois, mesmo tendo reconhecido que as declarações do acusado sobre a origem do dinheiro “não são verossímeis”, a Justiça Federal determinou o arquivamento do inquérito policial que investigava possível crime de lavagem de dinheiro cometido pelo ex-assessor do prefeito de São Paulo.

Como em geral crimes cometidos por tucanos ou não dão em nada ou caem no esquecimento, agora é preciso apurar a quantas anda outro caso envolvendo não só Mário Welber mas também a jornalista e ex-assessora de imprensa de Bruno, Fabiana Macedo de Holanda.

O caso foi parar no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), a partir de uma representação apresentada pelo diretório estadual do PT contra Bruno Covas, por supostamente ter, naquela campanha, em 2014, utilizado os serviços de Welber e Fabiana, ambos na época funcionários da Cetesb, para fins eleitorais.

A representação do PT atinge também Otávio Okano, na época presidente da Cetesb – este por ceder empregados da administração indireta para a campanha eleitoral de Bruno Covas.

No documento apresentado ao TRE-SP, com data de 1 de dezembro de 2014, o advogado Othon Funchal Barros informa que existem evidências que comprovam a conduta vedada dos funcionários.

Mario Welber foi assessor na Assembleia Legislativa de São Paulo e quando Bruno foi Secretário Estadual do Meio Ambiente passou à Cetesb, no cargo de Assessor Técnico I.

Mário e amigos em Genebra

Bruno Covas reassumiu como deputado para disputar uma vaga na Câmara. Segundo o PT, a vinculação de Welber com “sua campanha durante o período pré-eleitoral e eleitoral está devidamente documentada”.

Embora o ex-assessor alegue que tenha se licenciado neste período, no site da Cetesb não consta essa informação.

Mesmo que houvesse, segundo o PT, a licença de seu emprego público na Cetesb seria irregular por não se enquadrar em nenhuma das hipóteses legais de suspensão de contrato de trabalho.

Fabiana, assessora técnica IV da Cetesb, igualmente prestava serviços a Bruno Covas durante o período eleitoral, ainda segundo a representação encaminhada pelo PT, já que ela, comprovadamente neste período, se apresentava como assessora de imprensa do então deputado à diversos veículos de comunicação.

Agora que Mário Welber está livre da acusação de lavagem de dinheiro, mesmo sem ter convencido ninguém, pode continuar curtindo a vida como gosta – e postando tudo nas suas redes sociais.

Em junho, esteve de férias na Suíça, tomando cappuccino em Zurique, curtindo a paisagem do vale de Lauterbrunnen e torcendo num jogo com amigos em Genebra.

Welber fez um “tour” pela Europa, passando por Londres, Paris e Lisboa, onde se deliciou com os tradicionais pasteis de Belém e descobriu que “são melhores que os do Habib’s”.

Em maio, apresentou o Miss Rio Preto.

Gosta de filosofar e postar fotos de passeios, paisagens e animais, cachorros especialmente. Outro vício é chamar os amigos de “pessoa do bem”.

Quanto a Fabiana, a última informação dela é de sua exoneração, publicada no Diário Oficial do Estado, em 2017.

Seu caso, porém, não é grave como o do colega Mário Welber, sem contar que a representação do PT no TRE indica irregularidades eleitorais praticadas por Bruno Covas – neste caso, ele é que deve ser investigado e julgado.

Mário em Paris