Condenação de partido neonazista na Grécia é revés para extrema direita no mundo. Por Willy

Manifestação de neonazistas na Grécia

A justiça grega tomou uma decisão histórica nesta quarta-feira. Um revés para a extrema direita na Europa, a Corte Penal de Atenas condenou o partido neonazista Aurora Dourada, enquadrando-o na categoria “organização criminosa” por comandar um assassinato e uma série de ataques contra imigrantes, sindicalistas e militantes de esquerda.

A sentença foi anunciada nesta quarta-feira, 7, depois de cinco anos de julgamento e foi recebida com festa do lado de fora do tribunal, por 15 mil pessoas, que carregavam cartazes com frases como “o fascismo não é opinião, é crime” e “eles não são inocentes”. A alegria, no entanto, não foi unânime. A polícia usou gás lacrimogêneo contra os manifestantes.

Giorgos Roupakias, membro do partido, foi considerado culpado pelo assassinato do rapper antifacista Pavlos Fyssas, morto a facadas em 2013. Outros 15 réus foram condenados pela justiça grega, que entendeu que eles participaram ou lideraram uma organização criminosa, que inicialmente coordenava ou acobertava ataques contra militantes de esquerda e posteriormente passou a atacar imigrantes.

Fundado nos anos 1980, negando o holocausto, o partido utiliza uma suástica como símbolo. Ele reivindica medidas como a instauração de uma meritocracia, redução de impostos para o setor de negócios, aumento da produção agrícola e expulsão de todos os imigrantes que entraram ilegalmente no país, assim como acordos de livre-comércio com China, Rússia e Irã.

A Aurora Dourada era um partido marginal na Grécia até 2012, quando em meio à crise da zona do euro chegou pela primeira vez ao parlamento do país, obtendo 7% dos votos nas eleições legislativas e tornando-se a terceira força política. Naquele contexto, grupos de homens apoiadores da organização se espalhavam pelas ruas de Atenas para atacar imigrantes, utilizando barras de ferro.

Passada a euforia fascista, o sucesso do partido não foi duradouro. Nas eleições de 2019, fracassou ao não conseguir obter o percentual mínimo (3%) de votos para o Voulí ton Ellínon, o parlamento grego. Os processos na justiça contribuíram para o desgaste da imagem do partido, assim como as críticas vindas de diferentes forças políticas.

O esquerdista Alexis Tsipras, líder da oposição, celebrou a decisão da justiça e disse que os membros “dessa organização criminosa têm que ir para a prisão”. A pena ainda deve ser definida.

O veredito é um revés para a extrema direita não só na Grécia, mas na Europa. Segundo a Anistia Internacional, a sentença terá impacto além das fronteiras gregas. Em outros países europeus, a extrema direita também é alvo de processos na Justiça.

Na Itália, o ex-ministro do Interior Matteo Salvini (do partido de extrema-direita A Liga) é processado por sequestro ao impedir que um barco de imigrantes salvos no Mar Mediterrâneo pudesse acostar no país, quando ainda era ministro. O processo foi adiado em função da pandemia de Covid-19, mas se condenado, Salvini pode levar 15 anos de prisão.

Na Alemanha, país que conhece um recrudescimento do terrorismo de extrema direita, a ala mais “nacionalista” do partido ultraconservador AfD (Alternative für Deutschland) foi desmantelada, enquanto uma ala regional está sob vigilância da justiça. A simbologia nazista é crime no país.

Resta esperar que a decisão da justiça grega seja de fato um precedente para que a justiça de outros países, como inclusive a do Brasil, seja digna desse nome.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!