Congresso tem obrigação de iniciar impeachment do Bolsonaro e cassação do Flávio. Por Jeferson Miola

Flávio Bolsonaro e Jair Bolsonaro. Foto: AFP

Publicado originalmente no Blog do autor:

Por Jeferson Miola

As instituições não “funcionam normalmente” com o Congresso Nacional escondido na quarentena para não enfrentar os temas cruciais e urgentes da conjuntura política.

No contexto da epidemia, o Congresso tem sido um verdadeiro “leão” para defender e operar os interesses da classe dominante e do capital. Neste período, o parlamento aprovou projetos prejudiciais à soberania e à economia do país e contrários aos interesses dos trabalhadores – como a MP 936, a privatização do saneamento, o auxílio trilionário a banqueiros etc.

Mas este mesmo Congresso, na figura dos presidentes da Câmara e do Senado, tem agido com impressionante tibieza e medo. Comporta-se como “tchuchuca” diante dos ataques, ameaças, insanidades e desatinos do governo Bolsonaro.

As revelações do inquérito sobre os crimes do Fabrício Queiroz são bombásticas, atingem diretamente o presidente da República e revelam a sofisticada estrutura criminosa comandada diretamente pelo clã Bolsonaro.

O Congresso precisa assumir urgentemente o debate para a instalação dos processos de impeachment do Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados, e de cassação do Flávio Bolsonaro no Senado Federal.

Neste momento de dramática urgência política e institucional, o Congresso não pode faltar à sua responsabilidade.

É factível, em termos sanitários, a realização de sessões presenciais do Congresso neste tempo de epidemia. A transcendência do momento justifica esta medida. Basta, para isso, que sejam adotadas as cautelas e precauções para a proteção e prevenção do COVID-19.

Os deputados e senadores ficarão de costas para a sociedade se não iniciarem imediatamente o afastamento de Bolsonaro da presidência da República.

Se o parlamento brasileiro se omitir neste momento gravíssimo, sua imagem ficará inapelavelmente associada à escória que envergonha o país perante o mundo e faz do Brasil um pária internacional.

As manifestações anti-fascistas e em defesa da democracia ocorridas em várias cidades nos finais de semana precedentes têm de ser vistas pelos deputados e senadores como exemplo encorajador a ser seguido.

Há circunstâncias na história que nem a mais atemorizadora ameaça à vida consegue arrefecer a luta em defesa da democracia, quando esta está seriamente ameaçada, como é a realidade do Brasil.

Se Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre não estiverem à altura da responsabilidade histórica de colocar o Congresso a funcionar para iniciar o afastamento do Bolsonaro e a cassação do seu filho Flávio, os parlamentares democratas poderiam auto-convocar o Congresso e instalar sessões legislativas.

Com este gesto, no mínimo denunciariam a falta de empenho dos representantes da oligarquia em interromper a catástrofe causada pelo sociopata genocida que esta mesma oligarquia instalou no Palácio do Planalto.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!