Coronavírus: UNE lança propostas para Educação diante da pandemia

Iago Montalvão, presidente da UNE. Foto: Divulgação/Twitter

As entidades UNE (União Nacional dos Estudantes), a UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) e a ANPG (Associação Nacional do Pós Graduandos) lançam em conjunto do documento “Plano Emergencial de Educação”, que envolve propostas para escolas, instituições de ensino e de pesquisa durante a pandemia do COVID-19 e a suspensão de aulas.

Visa externar as preocupações e demandas dos estudantes brasileiros frente aos desafios atuais.

Entre as medidas propostas estão:  redução de mensalidades, mais recursos para a pesquisa específica e prorrogação dos prazos acadêmicos, revogação da Emenda do Teto de Gastos, merenda ou vale alimentação para escolas, entre outras.

“Esse plano busca reunir demandas de estudantes nos mais diversos locais, tanto em universidades públicas quanto privadas. Entendemos que o momento é de distanciamento social, mas garantindo a permanência desses estudantes pra que após essa crise possam voltar com tranquilidade aos estudos”, avalia Iago Montalvão, presidente da UNE.

E acrescenta “Também entendemos que as universidades, mais uma vez, demonstram sua imensa capacidade de lidar com as questões sociais e de saúde pública e por isso precisamos valorizá-la”.

Acesse o Documento: https://bit.ly/PlanoEmergencialparaEducação

Redução de Mensalidade

O Comitê Operativo de Emergências do MEC, criado para mitigar os efeitos do coronavírus no ambiente acadêmico, deliberou que serão permitidas alterações no calendário escolar (como antecipação das férias), além da flexibilização das disciplinas presenciais para serem ministradas em EAD.

Ainda que de uma forma muito amadora por parte de algumas IEs, a segunda opção tem sido amplamente adotada e essa decisão tem gerado grandes debates sobre a qualidade do ensino e a cobrança integral das mensalidades, já que os cursos presenciais (geralmente mais caros) não estariam sendo ofertados em suas condições ideais e a UNE recebe constantes mensagens de estudantes que não conseguem acessar a plataforma de EaD e tem a renda reduzida diante da crise.

Como no período de suspensão das aulas, instituições de ensino terão custos reduzidos, (energia, água e manutenção do espaço), por não estarem havendo atividades presenciais, a UNE propõe que as instituições de ensino que flexibilizem seus cursos presenciais para EAD:

– Não reprovem os estudantes por falta;
– Divulguem amplamente e disponibilizem formas para que os estudantes possam continuar seus estudos;
– Incluam mais de uma opção de verificação de notas, além de trabalhos para a complementares;
– Ofereçam formas de reposição das aulas e/avaliações;
– Não alterem o Coeficiente de Rendimento (CR) com base nas notas do semestre de 2020.1.

– Equiparem o valor dos cursos presenciais aos cursos em EAD, onde assim houverem e nas universidades que não contam com sistema EAD, promovam descontos proporcionais a diminuição das despesas das IEs.

– Garantia de impressão e resgate de documentos;
– Garantia de trancamento do semestre sem taxação, dado que o estudante não poderá cursá-lo por motivo de força maior.

Abaixo Assinado pela redução:  http://bit.ly/ReduzAsMensalidades

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!