Criadora do “Grupo de Apoio ao jornalista Glenn Greenwald” no Facebook é acusada de estelionato

Postagem pedindo doação no grupo

POR SABRINA LEHMANN 

A criadora do Grupo de Apoio ao jornalista Glenn Greenwald no Facebook, Vivien Martins Marceli, que possui mais de 370 mil membros, é acusada de estelionato por diversos internautas.

De acordo com as pessoas lesadas, Vivien se utilizava de perfis falsos para cooptar membros e, desta forma, criar outros grupos para uma suposta amiga que padecia de câncer.

A professora Sonia Bieger diz que Vivien a convidou para participar do grupo Unidos para Salvar Vivien Esperança.

Ela relata que ali se contava a história de uma jovem militante de esquerda que sofria de tumor no pâncreas e passava dificuldades junto de sua mãe e do filho.

“Me comovi com a história. Tinha fotos, tudo muito triste, resolvi ajudá-la e fiz depósitos de agosto até dezembro de 2019”, lembra.

Sonia conta que Vivien dizia estar internada no Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre, e pediu o endereço para conhecê-la.

“Imediatamente fui excluída e bloqueada, então telefonei para o Mãe de Deus e descobri que nunca esteve ninguém com este nome internado lá. Resolvi, então, comunicar outros membros sobre minhas desconfianças”, declara.

Amália Oliveira, operadora de telemarketing, afirma ter recebido as mensagens de alerta de Sonia e começou a perceber contradições na história sobre Viviane Righetti e sua suposta amiga Vivien Esperança.

A conta em que eram feitos os depósitos das doações era da mãe de Vivien.

“Procuramos pelo nome na internet e apareceram os inúmeros processos que mãe e filha respondem como apropriação indébita, curatela, partilha. Chegamos à conclusão que na verdade Viviane Righetti e Vivien eram a mesma pessoa”, afirma.

Amalia revela que fez doações mensais de setembro de 2018 a janeiro de 2020 e os valores ultrapassam 2 mil reais.

Durante a procura por mais informações, Sonia e Amalia conheceram o advogado Vinicio Schumacher Santa Maria, que já havia sido administrador do grupo de apoio ao jornalista e estava desconfiado das ações de sua fundadora.

“Todos que ajudavam na administração já desconfiavam que o nome verdadeiro da criadora não era Viviane Righetti. Depois concluímos que ela utilizava esse nome falso porque já responde a um processo criminal e não queria exposição do nome verdadeiro (Vivien Martins Marceli)”, declara.

O advogado registrou um boletim de ocorrência contra Vivien por estelionato, alertou seus contatos via Facebook e fez uma postagem com os pedidos de ajuda feitos com a foto da suposta doente.

“Através deste post a menina da foto, que, até então, todos acreditavam que seria Vivien, foi reconhecida por uma amiga e ficamos sabendo que Camila* era a verdadeira pessoa da foto. Foi neste momento que tivemos certeza de que se tratava de um golpe”, explica.

O advogado relata ter sido criado um grupo de Apoio às vítimas de Vivien Esperança no Facebook para reunir mais informações e denunciar a prática do estelionato.

“Por meio das redes sociais acabamos descobrindo que, em 2015, Vivien se fazia passar por médium e psicografava cartas de filhos para mães e cobrava por este serviço, tendo sido expulsa do Centro Espírita Perseverança na cidade São Paulo”, destaca.

O grupo de vítimas ressalta que tem como prioridade reunir todas as provas e informações e as pessoas dispostas a denunciar e alertar os internautas sobre os possíveis golpes para evitar que outras pessoas também sejam lesadas.

Eles afirmam que Vivien utiliza como perfil principal no Facebook o nome de Viviane Martins Marceli – atualmente uma das administradoras do grupo de Apoio ao Jornalista Glenn Greenwald – e também já utilizou as contas Vivien Esperança, Vivien Poesia, Vivien Martinez, Viviane Righetti, Valeria Righetti, Vivi Bernardi, Luana Padilha.

* Nome fictício para preservar a imagem da vítima que teve suas fotos utilizadas

Ocorrência policial de registro de estelionato

*****

NOTA DE REPÚDIO DO GRUPO DE APOIO AO JORNALISTA GLENN GREENWALD
Eu Sócrates Furtado Administrador do Grupo Glenn Greenwald venho por meio desta apresentar defesa ao publicado por este meio de comunicação.
Segue os fatos apresentados aqui:
Vinício Shumacher Santa Maria, Sônia Bieger ou Sônia Lima, Amália Franco ou Oliveira e o Gui CPS ou Gui Carneiro, Malu Torres, Cris Souza, Roberto Kniest, Ana Cláudia Fontelli, Mônica Lima, Fernando Barros, Davi Lula Corrêa e o Costa Marcius ou Márcio Costa, desde a retirada sumária destes integrantes feitas por minha pessoa do Grupo Glenn, essas pessoas fazem campanha dia e noite difamando, injuriando e caluniando a FUNDADORA DO GRUPO VIVIEN MARTINS MARCELLI em todo tipo de rede social.
As acusações feitas aqui sobre o apoio a Vivien Esperança devem ser tratadas na Justiça e não no Facebook, que não  é o Foro adequado para assuntos dessa natureza.
A Fundadora do Grupo possui laudos psiquiátricos, receitas médicas e diagnósticos médicos de doenças que enfrenta até hoje. O Pseudo Advogado Vinício Shumacher Santa Maria na qualidade de Advogado usou do sigilo profissional e de sua prerrogativa profissional para chantagear a fundadora do grupo e assumir a Administração do mesmo, o ex Administrador Márcio Costa na calada da noite sem minha autorização, me retirou da Administração e retirou a fundadora do Grupo de maneira sorrateira, assumindo assim a administração do grupo de forma equivocada, sorrateira e imoral.
As integrantes citadas acima depositavam quantias de ajuda a Fundadora e deverão solicitar eventuais ressarcimentos na Justiça e não cometendo crimes cibernéticos.
Possuo uma Representação na Ordem dos Advogados do Brasil contra Vinício Shumacher Santa Maria e a Pseudo Advogada Sônia Bieger.
Possuo um Boletim de Ocorrência registrado no quarto Distrito Policial de Campinas contra essas pessoas por ameaça, injúria, difamação e calúnia.
Apresentei no Partido dos Trabalhadores representação contra os filiados dentre esses nomes acima, para que no Estatuto do Partido essa questão imoral e anti ética tenha uma forte pena para os envolvidos que estão a denegrir o nome do PT.
Conquanto possuo todos os meios de prova em Direito admitidas para provar o alegado aqui e de anti mão solicito a publicação integral deste e-mail por este meio de comunicação.
Sem mais e no aguardo da publicação desta Nota de Repúdio aguardo o retorno, para que medidas judiciais não sejam tomadas contra esse veículo de comunicação em massa.
Satisfação e cordiais saudações
Sócrates Furtado
ADMINISTRADOR ÚNICO DO GRUPO DE APOIO AO JORNALISTA GLENN GREENWALD

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!