Dallagnol cita Moro para explicar por que fugiu da Câmara e diz: “Nunca ultrapassamos a linha da lei e da ética”

Dallagnol ganha plaquinha na Câmara em sua homenagem

Deltan Dallagnol, o Wesley Safadão da Lava Jato, deu mais uma entrevista chapa branca, desta vez ao Correio Braziliense.

Como ele tem medo de errar, respondeu por e-mail.

Ou melhor, fingiu responder, apelando para os cacoetes de sempre, com evasivas, desconversas e frases acacianas.

“Cada mensagem está num contexto maior que envolve discussões mais amplas sobre o assunto, inclusive em conversas presenciais, conhecimento sobre o conteúdo das investigações, inclusive sigilosas, interpretações de nosso sistema jurídico e pressupostos implícitos de quem se conhece há anos, como o de que todos do grupo só agiriam de modo correto”, disse.

Embromation.

Deltan, que chamou Lula de “9” por causa do defeito físico e tripudiou com sua “força tarefa” sobre o luto do ex-presidente e a morte de seus parentes, é incapaz de pedir perdão pela schadenfreude.

A repórter Ana Dubeux perguntou se a procuradora Jerusa Viecili agiu corretamente ao se retratar.

“Ela se recorda de ter se manifestado naqueles termos; então, é uma escolha pessoal, legítima e nobre”, diz Dallagnol.

Não é a dele, claro.

“Sobre o ex-presidente Lula e o processo dele, a força-tarefa se manifestou nos autos e o caso passou por todas as instâncias do Judiciário, inclusive pelo STF”.

Sobre o chat que mantinha com diálogos internos e reflexões imbecis, comparando-se a Jesus Cristo, ele explica que “foi uma opção pessoal para guardar algumas reflexões íntimas, como se fosse um bloco de notas.”

Assim Deltan se dirigiu a Deltan:

Tenho apenas 37 anos. A terceira tentação de Jesus no deserto foi um atalho para o reinado. Apesar de em 2022 ter renovação de só uma vaga e de ser Álvaro Dias, se for para ser, será. Posso traçar plano focado em fazer mudanças e que pode acabar tendo como efeito manter essa porta aberta.

Sua intenção de ser senador tinha “caráter republicano” e essa avaliação era “guiada, inclusive, por princípios cristãos”. Lembra que “o futuro a Deus pertence”.

Não explicou por que se recusou a ir ao Congresso dar explicações e ainda usou o exemplo de Moro.

“O trabalho da força-tarefa é técnico e jurídico. O Congresso desempenha um papel fundamental em nossa democracia, mas é um palco político. Vimos como foi com o ministro Sergio Moro”, afirma.

Assim Deltan ser resume: “Não buscamos glória ou poder. Nunca ultrapassamos a linha da lei e da ética. Nunca pretendemos ser heróis nem buscamos esse título.”

Eu insisto que esse homem é um caso de psicopatologia, muito mais que criminal.

Pelo menos ele trocou o ileísmo, o vício de se referir a si próprio na terceira pessoa, pelo plural majestático.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!