Dario Messer caiu por amor, diz jornal paraguaio: “Se ele decidir abrir a boca, muitos devem colocar as barbas de molho”

Dario Messer

PUBLICADO NO JORNAL ABC

POR MABEL REHNFELDT

Na sexta-feira, pela primeira vez, um promotor brasileiro da equipe Lava Jato agradeceu publicamente o Paraguai pela ajuda para deter Darío Messer, o brasileiro acusado de crimes graves que está fugitivo desde maio de 2018. Até então, muita informação permanecia reservada.

Documentos de 20 de abril provam que um relatório de inteligência do Ministério do Interior do Paraguai deu as pistas que fizeram os federais brasileiros encontrarem a Messer. Este relatório incluía detalhes muito precisos que incluíam lugares onde o fugitivo estava andando, pessoas que ele contatou, números de telefone e até usuários do Facebook.

A inteligência do Paraguai o apelidou de “DIEGO MEDINA” ou “SOUL’SBROTHER” (irmão da alma, em inglês, o apelido que Horacio Cartes deu publicamente ao seu parceiro e amigo).

Para os investigadores, o fugitivo esteve alojado por algum tempo em uma das fazendas de Roque Fabiano Silveira, também conhecido como “Zero Um”, um “empresário” de fronteira ligado ao cigarro e que mora na região de Salto del Guairá. O nome Silveira foi divulgado há uma década depois de ter aparecido ligado a empresas de cigarros segundo o Centro Internacional para o Jornalismo Investigativo (ICIJ) em sua versão paraguaia e brasileira, entre 2008 e 2009.

A informação de que Messer poderia ter estado na propriedade de Silveira coincidiu com a época em que ele apareceu em um escriba de Salto del Guairá para assinar poderes para os advogados.

Mas foi em Pedro Juan Caballero que encontraram mais vestígios do brasileiro cuja nacionalidade paraguaia foi revogada. Vanity – ou seu desespero para mascarar sua verdadeira identidade – o fez cometer o erro de contatar repetidamente um cirurgião pedrojuanino, embora quando foi capturado, Messer negou ter passado por cirurgias.

Os analistas conseguiram identificar uma clínica de cirurgia plástica no centro em Pedro Juan Caballero e um médico de 63 anos ligado a ela, que já foi o diretor da Região de Saúde XIII Amambay. Naquela época, suspeitava-se que Messer teria passado por alguns retoques estéticos para alterar sua aparência. Hoje sabe-se que, além de tingir o cabelo, perder peso e deixar a barba, você pode ter feito retoques que incluíam um nariz mais afiado.

Myra aparece

Foram os investigadores paraguaios que descobriram a jovem namorada de Darío Messer, o calcanhar de Aquiles que levou o brasileiro a cometer erros que acabaram em sua captura.

O nome da jovem loira, de olhos verdes e constituição pequena é Myra Athayde Assef (esta última seu sobrenome). Os pesquisadores chegaram a encontrar o número de telefone no Brasil, o usuário no Facebook e até as viagens que fizeram ao Paraguai.

Embora para a Polícia Federal brasileira a jovem tenha começado a vir ao Paraguai a partir de agosto do ano passado, para analistas paraguaios ela começou a entrar no país de novembro de 2018 a janeiro deste ano. Como Darío Messer, Myra também obteve carteira de identidade paraguaia em novembro de 2018 e até mesmo o recorde de condução de Fernando de la Mora.

Jornalistas brasileiros aprofundaram essa relação que levou à captura de Messer, um dos fugitivos mais procurados do Brasil nos últimos tempos. O marido anterior de Myra era advogado e representante legal do Flamengo Race Club, mais conhecido como “Flamengo”. O casal era amigo de Dan Messer e sua esposa, e eles ainda freqüentavam a casa da família no Rio de Janeiro.

A mãe de Myra é uma ex-deputada federal (que veio a ser presa por má administração) e seu pai, um ex-conselheiro do Rio.

Quando foi encontrado, Darío Messer usou a identidade de Marcelo De Freitas Batalha, tinha carteira de identidade brasileira e também identidade paraguaia, além de carteira de motorista e cartão de residência permanente. O departamento de São Paulo onde foi encontrado foi registrado em nome de Mary Oliveira Athayde, mãe de Myra.

Dizem que o jovem advogado morou no local há cerca de quatro meses, no apartamento 102, no décimo andar de uma das torres. Fica em um dos bairros mais elegantes e sofisticados de São Paulo, os Jardins, na Avenida Pamplona.

Noiva com documentos paraguaios

O cartão de identidade paraguaio de Myra, a advogada carioca de 27 anos que conquistou o coração de Messer, surgiu em nome de Myra de Oliveira Athayde e afirmou que nasceu em Campos dos Goytacazes (Rio de Janeiro, Brasil).

Sua identidade foi emitida em 12 de novembro do ano passado, no mesmo dia em que Darío Messer assinou um poder para seu advogado de “Diego Medina” (usou as iniciais da verdadeira identidade de Messer). A moça não só possuía carteira de identidade paraguaia, mas também registro de condução de Fernando de la Mora e até cartão de residência permanente no Paraguai.

Segundo a Polícia Federal brasileira, desde agosto do ano passado ele viajou cerca de oito vezes, especificamente para Assunção. Ele veio para viajar por terra e também por ar, às vezes ele veio e foi no mesmo dia. No entanto, a inteligência do Paraguai estima que em 28 de novembro do ano passado foi uma de suas entradas, às 7:46 por Silvio Pettirossi. Ele deixou o país novamente, 24 horas depois em um avião às 3h47, no mesmo aeroporto.

Em janeiro deste ano ele fez pelo menos duas viagens de relâmpago para ver sua amada. No dia 14 de janeiro, ele chegou ao país às 9:38 da manhã no aeroporto principal e deixou o Paraguai novamente naquele mesmo dia em um avião às 14:49 da tarde. Ele retornou 15 dias depois, novamente da mesma forma, em uma viagem relâmpago; Seu avião pousou às 00:08 de 29 de janeiro e deixou o país no mesmo dia às 16h02.

Uma das vezes que ele chegou de avião à cidade brasileira de Dourados (cerca de 120 quilômetros de Pedro Juan Caballero) e o restante da viagem viajou por terra ao Paraguai para enganar a polícia. Em algumas viagens, seu porto de partida era o Rio de Janeiro, em outros San Pablo, mas sempre para o Paraguai.

Os vizinhos de Messer em São Paulo relataram que a viram usar as áreas comuns do lugar onde ela caiu detida.

Barbas embebem …

Darío Messer é considerado o maior dos doleiros brasileiros e sua formação já data desde a época do famoso “Mensalão”, uma operação na qual se descobriu como os doleiros estavam lavando dinheiro de subornos para políticos brasileiros. Depois, ele também esteve envolvido na operação Farol da Colina e o último na operação do Cambio Slide, após o qual ele desapareceu de sua mansão localizada no Paraná Country Club.

Messer é acusado de ter lavado uma fortuna no Brasil e no Paraguai. Só no nosso país, tem mais de cem milhões de dólares em ativos e contas bancárias. De acordo com documentos, ele foi um dos fundadores do Banco Amambay e agora o que resta a esperar é se, assim como seus filhos, ele se submeterá à figura do prêmio concedido (confesse que fatos ocorreram para permitir que todos os culpados caíssem) .

Se Messer consegue abrir a boca, muitos devem colocar as barbas de molho.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!