DCM TV – Retransmissão: Desafios do Saneamento Básico na Amazônia

 

Com mediação de Jéssica Italoema, diretora da Fundação Perseu Abramo, o programa Pauta Brasil desta segunda-feira, 21 de junho, ouviu os deputados Sinésio Campos e Léo de Brito e professor Ubiracy Rodrigues sobre as necessidades da região amazônica com relação ao saneamento básico.

Léo de Brito é deputado federal pelo PT do Acre e considera o debate muito importante. Ele participou por meio de um vídeo enviado porque o presidente da Câmara, Artur Lima, convocou para votação urgente da privatização da Eletrobras, “um crime de lesa pátria”.

O deputado alertou para as questões normalmente sendo os “temas da Amazônia”, desmatamento, por exemplo. Mas que o tema do saneamento fica em segundo plano, mesmo com a região sendo “deficitária em saneamento, e, portanto, gastamos mais com saúde. Saneamento é uma métrica importante para as metas do desenvolvimento humano”.

“A situação da Amazônia não é diferente do que temos no mundo. E esses problemas causam milhares de mortes, com esgotos a céu aberto, a morte de crianças, uma situação tem que ser tratada como prioridade”, disse. Ele relembrou que o tema não é bem visto eleitoralmente e que há urgente necessidade de investimento de bilhões de reais no setor”.

Sinésio Campos é deputado estadual, presidente do Parlamento Amazônico e da Comissão de Saneamento Básico da Assembleia do Amazonas. O deputado informou que a Amazônia não tem saneamento básico adequado. Ele apresentou uma série de dados sobre as cidades, que despejam os dejetos nos rios que são “nossas estradas e as embarcações também despejam lixo”.

Sinésio tem participado de reuniões e audiências públicas nas comunidades e se mostra preocupado. “Estamos elaborando projeto de lei para o saneamento básico. Temos que continuar esse debate. Assim como sobre os aterros sanitários. Temos que conhecer novas tecnologias, temos o problema, mas solução há. É o momento de construirmos um plano para a Amazônia”.

Ubiracy Rodrigues é professor da Universidade Estadual do Pará e integra o Núcleo de Estudos da Amazônia e também presidente do diretório municipal de Belém do PT. Ele lembrou que 57,1% da população da região Norte tem acesso à água potável, 10% tem acesso à coleta de esgoto, dos quais apenas 21% com tratamento de esgoto. O restante do esgoto da região toda vai para o meio ambiente, rios, córregos e igarapés”.

Ele também denunciou a perda de água tratada e a necessidade de políticas públicas para este setor. “Vivemos momentos que podemos comparar: governo FHC, que já direcionava suas ações para a privatização e não investia na capacitação técnica das prefeituras, por exemplo; e os governos Lula e Dilma, quando avançamos um pouco”.

O professor considera preocupante as prefeituras não terem capacidade técnica permanente e que é grave “a ausência de planejamento da política de saneamento, com regulamentação dos planos nas cidades, construindo seus planejamentos mas baseados no federal”. No caso da Amazônia, Ubiracy defende que seja elaborado um plano específico a partir das especificidades locais.

Questões sociais, formação da população sobre preservação, resíduos sólidos, combate à perda da água tratada, os perigos da privatização, e o planejamento e a construção de políticas públicas estiveram também no programa de hoje. Assista a íntegra do Pauta Brasil sobre saneamento na Amazônia aqui.

Pauta Brasil receberá especialistas, lideranças políticas e gestores públicos para discutir os grandes temas da conjuntura política brasileira. Os debates serão realizado nas segundas, quartas e sextas-feiras, sempre às 17h, e serão transmitidos ao vivo pelo canal da Fundação Perseu Abramo no YouTube, sua página no Facebook e perfil no Twitter, além de um pool de imprensa formado por DCM TV, Revista Fórum, TV 247 e redes sociais do Partido dos Trabalhadores.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!