Defensora da cloroquina, Nise Yamaguchi foi expulsa do Einsten e queria isolamento vertical contra a Covid

Nise Yamaguchi

A médica Nise Yamaguchi voltou ao noticiário após o diretor da Anvisa, Antônio Barra Torres, dar duas declarações bombásticas na CPI da Covid no Senado: a primeira é de que é contra o tratamento precoce da doença com cloroquina.

A segunda é a confirmação de que teria participado de uma reunião no Palácio do Planalto com Bolsonaro, o então ministro da Saúde, Henrique Mandetta, a médica e um outro profissional do qual não recordou o nome com objetivo de mudar a bula da droga que não tem comprovação científica para o tratamento do coronavírus.

Nise Yamaguchi, que admitiu ter sido expulsa do hospital Albert Einstein, em São Paulo, por causa da defesa intransigente da cloroquina, foi cotada para substituir Mandetta após a saída do médico e ex-deputado do ministério da Saúde.

Em várias oportunidades, defendeu o tratamento precoce.

Chegou a liderar um grupo de profissionais médicos em favor da droga e foi uma das responsáveis por conquistar a flexibilização da legislação do Conselho Federal de Medicina (CFM) para facilitar a prescrição do medicamento, conforme desejo dos médicos e dos pacientes.

Bolsonaro sempre usou os argumentos de Nise para defender o uso da substância em pacientes com o vírus da covid.

Colocou inclusive os laboratórios das Forças Armadas para produzir o remédio para reforçar os estoques.

“[Os médicos] têm obrigação de usar, mesmo de forma preliminar, com o maior controle possível, as medicações que estão disponíveis”, sempre defendeu a profissional, alegando que a medicação é mais efetiva quando usada no início da infecção.

Nise é também é defensora do chamado isolamento vertical, em que só os indivíduos nos grupos de risco da doença se resguardariam.

A estratégia apoiada por Bolsonaro nunca vingou, já que prefeitos e governadores, diante das evidências, optaram pelo isolamento amplo recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e adotado na maioria dos países.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!