Defesa de Tacla Durán apresenta documento que contesta procuradores: “Não tomaram o depoimento porque não vieram”

Rodrigo Tacla Durán e o Ministério Público Federal divergem quanto às razões de não ter sido realizada a oitiva do advogado brasileiro em Madri, como haviam solicitado três procuradores brasileiros — Orlando Martello, Roberson Pozzobon e Júlio Noronha — em nome da força-tarefa da Lava Jato.

Hoje, o DCM publicou o ofício em que os procuradores pediram à justiça espanhola condições para realizar a oitiva. Foi marcada para o dia 4 de dezembro do ano passado, mas os procuradores não compareceram.

Na ocasião, segundo a ata da audiência, reproduzida na semana passada pelo site de extrema-direita O Antagonista sob o selo “exclusivo”, Tacla Durán respondeu ao juízo que não prestaria depoimento.

Segundo o advogado dele, foi uma resposta formal, já que não havia interrogadores presentes nem perguntas encaminhadas a serem feitas. O juiz teria perguntado se ele gostaria de se manifestar, e Tacla Durán disse que não.

Com base nisso, o site de extrema-direita O Antagonista registrou que o Ministério Público Federal não tomou depoimento do ex-advogado da Odebrecht porque ele se recusou a falar.

O DCM procurou o Ministério Público Federal no Paraná e recebeu a seguinte nota, já publicada:

“No segundo semestre de 2017, após a fuga de Rodrigo Tacla Duran para a Espanha, a Força-tarefa Lava Jato formalizou pedido de cooperação internacional com a finalidade interrogá-lo em território espanhol. Antes que o ato pudesse ser realizado, contudo, Rodrigo Tacla Duran manifestou expressamente às autoridades espanholas que não prestaria declarações às autoridades brasileiras, socorrendo-se de seu direito de permanecer em silêncio na condição de investigado. Por este motivo, não houve o deslocamento dos procuradores até a Espanha.”

A defesa de Tacla Durán voltou a entrar em contato para dizer que esta versão não corresponde aos fatos.

Tacla Durán foi intimado no dia 8 de novembro do ano passado, para comparecer à audiência com os procuradores brasileiros no dia 4 de dezembro.

Ele compareceu, como registra a ata. Os procuradores, não.

Até esta data, insistiu a defesa, não havia manifestação de Tacla Durán sobre o pedido de depoimento dos procuradores brasileiros.

“Portanto — insistiu o advogado –, não é verdadeiro que Tacla Durán disse que não prestaria declarações às autoridades brasileiras, como diz a nota do Ministério Público Federal.”

A favor de Tacla Durán, ele encaminhou a ordem do juiz espanhol que determinou a intimação do seu cliente, em que está registrado que os procuradores brasileiros deveriam ser comunicadas.

O DCM voltou a procurar o Ministério Público Federal no Paraná, mas ainda não recebeu retorno.

O MPF fez questão de destacar que não vazou os documentos para O Antagonista, que o publicou como informação “exclusiva”.

“Só um esclarecimento. Tais documentos não foram “vazados”, conforme informa a matéria. Todos os documentos foram anexados aos processos em que Durán é réu na JFPR, e que estão públicos, como toda denúncia realizada no âmbito da Operação Lava Jato”, informou a assessoria de comunicação. Qualquer pessoa pode ter acesso por meio do e-proc da JFPR”, informou a assessoria de comunicação do MPF em Curitiba.
A defesa de Tacla Durán, por sua vez, questionou um ponto da nota do MPF.
“Outro ponto importante é que não houve fuga de Rodrigo Tacla Duran para a Espanha. Ele já vivia fora do Brasil, nos Estados Unidos, com visto de residente em seu passaporte espanhol. Prestou todos esclarecimentos necessários às autoridades americanas e viajou para Espanha para atender uma notificação da Agencia Tributaria Espanhola, que concluiu essa fiscalização sem aplicar nenhuma multa ou sanção porque não havia nenhuma irregularidade fiscal relativa a Rodrigo Tacla Durán”, afirmou a defesa.
Para acabar com a polêmica, basta ao juiz Sergio Moro deferir um dos pedidos para que Tacla Durán seja ouvido como testemunha em um dos processos da Lava Jato. Até agora, indeferiu todos, sob a argumento de que não teria nada a acrescentar ou de que não poderia ser localizado.
Pelo jeito, tem o que acrescentar e, com certeza, pode ser localizado.

 

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!