Defesa prévia: Veja desqualifica depoimento do porteiro sem ao menos dizer quem é o cidadão

Quem é o porteiro?

Na reportagem que Veja fez sobre o caso Marielle, faltou o básico: ouvir o porteiro. Ou pelo menos revelar quem é. Não seria tão difícil. Bastava um repórter ir à portaria ou tentar conversar com pessoas que trabalham lá. Moradores também poderiam ajudar.

Em vez disso, procura defender Bolsonaro.

“Foi nesse enredo tragicamente rocambolesco que o nome do presidente acabou envolvido. Destemperos à parte, Bolsonaro, que já sofreu uma tentativa de assassinato, agora tem razão em reclamar de que atentaram contra sua honra com base em um depoimento fajuto. Pode-se não gostar dele por sua visão simplória e paranoica de mundo, por seu gosto por ditaduras e por sua incapacidade de administrar a nação em paz, entre outros tantos motivos. A despeito dessas críticas, justas ou não, ninguém pode ser vítima de uma insinuação de tamanha gravidade sem provas — muito menos a maior autoridade do país.

A revista não poupa Sergio Moro, ao considerar que sua ação foi indevida. “Na defesa do presidente, o ministro da Justiça, Sergio Moro, destacou-se entre os mais afoitos, ao enviar ofício à Procuradoria-Geral da União no qual pedia que instâncias superiores ouvissem a testemunha que implicara Bolsonaro. Ao mais uma vez extrapolar seu papel, Moro recebeu críticas merecidas. ‘Ele usa seu cargo para atuar como advogado de Bolsonaro’, afirma o ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior.

Certo.

Mas a pergunta que continua sem resposta é: Por que o porteiro registrou na portaria que Élcio de Queiroz entrou no domínio para ir à casa 58, de Bolsonaro?

Imaginar que era uma armação não faz sentido: o registro foi feito no dia do crime, 14 de março do ano passado, sem que o porteiro, em princípio, soubesse que haveria um assassinato naquele dia.

O porteiro continua um personagem sem rosto e sem nome, mas, a julgar pela Veja, um grande vilão.

Se é, precisa dizer por que. E dar a ele chance de defesa.

Fazer insinuações contra um presidente da república é tão grave quanto ignorar que o registro da portaria é uma pista importante a ser perseguida.

 

 

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!