“Delação Premiada”: MC Carol, e não Chico ou Caetano, faz a trilha sonora do momento político do Brasil. Por Kiko Nogueira

Carolina de Oliveira Lourenço
Carolina de Oliveira Lourenço

 

Nem Chico, nem muito menos Caetano, nenhuma banda de rock, Seu Jorge de jeito nenhum.

Quem faz a trilha sonora do momento político do Brasil é MC Carol.  A funkeira de Niteroi lançou na sexta, dia 15, o rap “Delação Premiada”. A letra fala o seguinte:

Sete da manhã

Muito tiro de meiota

Mataram uma criança indo pra escola

Na televisão

A verdade não importa

É negro, favelado, então tava de pistola

Cadê o Amarildo?

Ninguém vai esquecer

Vocês não solucionaram a morte do DG

Afastamento da polícia é o único resultado

Não existe justiça

Se assassino tá fardado

Três dias de tortura

Numa sala cheia de rato

É assim que eles tratam o bandido, favelado

Bandido rico e poderoso

Tem sala separada

Tratamento VIP e delação premiada

 

Sucesso instantâneo. O nome dela passou o dia nos trending topics do Twitter. A música tem algo que o rock nacional perdeu há algumas décadas: urgência.

Carol é autora, entre outras, de “Não Foi Cabral”, sua versão do descobrimento do Brasil com índios mortos por portugueses, e “Meu Namorado é o Maior Otário”, em que detona o pobre rapaz (“Ele lava minhas calcinhas, se ele fica cheio de marra eu mando ele pra cozinha”).

É engajada e talentosa, mas o maior risco que corre é o de ser adotada por intelectuais que a queiram transformar em símbolo de qualquer coisa. Sua força está no talento intuitivo de colocar as palavras certas umas depois das outras, de cantá-las com convicção, de passar um recado e de olhar à sua volta.

Não é pouco. Qualquer tentativa de enquadrá-la não dará certo. Ela se declara “feminista”, mas reclama que o namorado cuida de suas roupas de baixo. E aí?

Carolina de Oliveira Lourenço disse o óbvio numa entrevista ao El Pais em que lhe perguntaram sobre suas “contradições”: “Nem tudo o que eu canto eu vivo. A maioria das coisas que eu canto é coisa que as pessoas querem ouvir, ou que acontece na minha comunidade”.

Em “Delação Premiada”, o paralelo entre a violência policial e a vida boa dos delatores da operação comandada por Sérgio Moro é fruto de sua inteligência em ler notícias e interpretá-las. A poesia é dura porque tem que ser.

A faixa é muito bem produzida. A voz grave bate no peito. Não é para ajudar a dormir. Para sorte de sua arte, o rap/funk/hip hop ainda é encarado como marginal pelo chamado establishment. É coisa de bandido. É perigoso. Incomoda.

Daí boa parte da bem vinda agressividade. O rock era assim antes de ficar senil. No instante em que o som de Carol for aceito e estiver no “Esquenta” (ainda existe?), na cota dos negros, pode ser o começo do fim.

Ela não toca no clube do seu primo quarentão obeso que foi para a frente da Fiesp, mas toca na festa do seu filho (na do meu, inclusive). Ela não vai tocar na Olimpíada.

Aliás, sabe quem vai se apresentar na cerimônia de abertura dos Jogos, diante da presença magnética do interino? Caetano Veloso. E Gilberto Gil. Mas isso são outros quinhentos dólares.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!