Delegada Erika confessa que não tomou depoimento de delator, mas assinou mesmo assim

Erika Marena: ré confessa (crédito: divulgação)

A delegada da Polícia Federal e da extinta operação Lava Jato Erika Marena, em janeiro de 2016, cometeu crime de falsidade ao assinar um termo de lavratura de depoimento que jamais aconteceu.

É o que mostram as transcrições de diálogos entre a policial e procuradores da Lava Jato, periciados pela PF na Operação Spoofing e encaminhados ao STF (Supremo Tribunal Federal) nesta quarta-feira (24).

O caso veio à tona há três dias, com trechos de diálogos de procuradores comentando o fato. Em reação ao descobrimento da ilegalidade, porém, as autoridades vieram à público alegar que a conversa havia sido tirada do contexto.

Por causa disso, nesta quarta, a defesa técnica do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que é réu em processos maculados pelas ilicitudes da Lava Jato, tornou pública uma nova série de diálogos a respeito do tema – todos eles legalmente fornecidos aos advogados pelo Supremo Tribunal Federal.

Na nova leva de diálogos, a própria delegada Marena confessa seu crime, como se vê abaixo.

22 Jan 16
• 16:59:24 Roberson MPF Caros, temos as gravações dos depoimentos de Fernando Moura na colaboração? Ele está se desdizendo aqui na audiência em pontos importantes

• 17:00:40 Luciano Flores Logo ele que fica mais do que qualquer outro lendo, relendo e pedindo pra alterar o que disse antes de assinar os termos… esse cara não me engana!

• 17:09:47 Paulo Aqui não temos mídias e os termos não mencionam gravação. Foram tomados pela Erika. Lembram se foram gravados?

• 17:20:34 Luciano Flores Opa! Confundi Fernando Moura com Fernando Soares… sorry…

• 17:38:20 Erika Galvão, ao que me lembre vocês negociaram o acordo com o Moura em um dia e combinaram de no outro o advogado trazer os termos prontos. No dia seguinte os advogados vieram na SR com tudo pronto , segundo eles de acordo com o q tinham combinado com vocês, era um período em q só estava eu na SR por parte da LJ, então eles usaram meu nome no cabeçalho, mas não tomei e não participei de nenhum termo. Se ele está se desdizendo, infelizmente não haverá gravações ….

• 17:39:20 Paulo Ok Erika, só para confirmar!

Fonte: STF

Como se nota, trata-se da confissão de um crime. Uma delegada de polícia não pode tomar de uma folha de papel com declarações escritas e assiná-la como se fosse aquilo um termo de depoimento tomado oficialmente, com a presença de escrivão e presunção de veracidade concedida pela autoridade policial.

Como também se nota, a delegada Marena afirma que cometeu o crime porque foi informada que ele havia sido arquitetado entre os advogados do delator (no caso, Fernando Moura) e os procuradores da Lava Jato. Nenhum dos procuradores que participavam da conversa desmentiu a informação.

LEIA TAMBÉM – Conheça os crimes a que devem responder Erika Marena e procuradores da Lava Jato

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!