Democratas precisam se unir para salvar o Brasil de Bolsonaro e dos filhos. Por Moisés Mendes

Clã Bolsonaro: Flávio, Jair, Eduardo e Carlos Foto: Reprodução

Publicado originalmente no blog do autor

Tarso Genro escreveu esta semana no Twitter:
“Ainda espero – e logo – acordar pela manhã e ler um manifesto assinado por Lula, Ciro, Dino, Marina, Haddad, Erundina, Juliano Medeiros, Boulos, Manuela, Freixo, Requião, nos chamando à unidade para vencer a pandemia e em defesa do Brasil, da Democracia e do Trabalho”.

Tenho respeito pela trajetória e pela capacidade de reflexão e de ação política de Tarso, que tem feito análises precisas da situação brasileira, desde o golpe de agosto de 2016.

Mas me atrevo a dizer que esse não é o momento para articulações fechadas, mesmo que para a produção de manifesto, de nomes da esquerda e da militância da política dita convencional.

Eu gostaria de ver esse manifesto ampliado e assinado também por Bresser Pereira, Oscar Vilhena Vieira, Delfim Netto, general Santos Cruz, Miguel Nicolelis, Pérsio Arida e tantos outros, incluindo lideranças da Igreja Católica, da Evangélica de Confissão Luterana e de outras igrejas que assumam compromissos claros com a democracia.

Até aos golpistas arrependidos deveria ser dada a chance de assinar um manifesto ao lado de lideranças de esquerda.

O próprio PT fez isso quando articulou e levou adiante alianças com golpistas históricos de 64. O que importa hoje é juntar quem deseja salvar o país dos desatinos de Bolsonaro e dos filhos de Bolsonaro.

O Brasil precisa pelo menos tentar redescobrir seus liberais, mesmo que os sobreviventes sejam poucos.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!