Desigualdade salarial global: faz sentido o salário da corajosa Renata Vasconcellos ser tão menor que o de Bonner? Por Nathalí Macedo

Renata Vasconcellos. Foto: Reprodução/GloboPlay

Tente assistir a uma entrevista de Bolsonaro sem rir e falhe miseravelmente.

Além de ser um meme pronto, ele não mede esforços pra virar piada e se defende sempre com a agressividade costumeira e a cola na mão: “Deus, Família, Brasil” (quem precisa de cola pra lembrar disso???)

Ontem, no Jornal Nacional,  ao tentar fugir da pergunta sobre desigualdade salarial entre homens e mulheres – como se o Brasil não já soubesse que ele já disse em outra oportunidade que mulheres deveriam ganhar menos porque engravidam –, Bolsonaro supôs que o salário de Renata Vasconcellos, âncora do JN, seria menor que o de Bonner, âncora e editor chefe, no maior estilo passivo-agressivo que a direita histérica adora.

“Eu tô vendo aqui uma senhora e um senhor… eu não sei ao certo, mas, com toda certeza (???) há uma diferença salarial aqui, parece que é muito maior pra ele do que pra a senhora”, falou.

“Candidato, desculpe, eu vou interromper vocês: eu poderia até como cidadã, como qualquer cidadão brasileiro, fazer questionamentos sobre os seus proventos, porque um senhor é um funcionário público, deputado há vinte e sete anos, e eu, como contribuinte, ajudo a pagar seu salário”, respondeu Renata. 

“O meu salário não diz respeito a ninguém, e eu posso garantir ao senhor, como mulher, que eu jamais aceitaria receber um salário menor de um homem que exercesse as mesmas funções a atribuições que eu. Mas agora eu vou devolver a palavra ao senhor.”

Como se diz aqui na Bahia: Receba!

Renata está tendo seus momentos de rainha da internet depois de protagonizar a cortada mais elegante do jornalismo brasileiro de 2018 (Sandra Anenberg curtiu isso) em rede nacional e colocar Bolsonaro em seu devido lugar.

Ela não contou ao espectador que ganha menos que Bonner porque ambos têm cargos diferentes. 

E que o colega ganha pelo menos quatro vezes mais que ela. Que diferença de atribuições justificaria tão gritante diferença?

Não contou que mulheres não somente ganham menos – 25%, como aponta o IBGE – com as mesmas funções e atribuições que seus colegas homens, como também, muitas vezes, têm dificuldade em ultrapassar as barreiras da natural credibilidade masculina no mercado e dificilmente alcançam altos cargos como seus colegas homens – quando o fazem, o caminho decerto é mais árduo.

Também não contou que recebe menos que outras pessoas que desempenham as mesmas funções e atribuições que ela na emissora.

Renata é chefe de reportagem mas não tem a função no salário – ou seja, ganha menos do que deveria para a função que, na prática, desempenha.

Uma discussão no Jornal Nacional, entretanto, não poderia ter tamanha profundidade. Ou a “rainha da internet” estaria demitida no dia seguinte.

Renata Vasconcellos se defendeu elegantemente e fez o que qualquer mulher corajosa espera de outra mulher, mas omitiu uma parte importantíssima de seu discurso: a desigualdade salarial na Globo é gritante, e isso é, sim, um problema do Brasil. 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!