Dia dos Povos Indígenas é marcado pelo aumento de mortes por covid-19 e protesto. Por Cristiane Sampaio

Apib aponta 23.339 indígenas contaminados, 651 mortes e 148 povos afetados pela covid-19 no país – Marcelo Camargo-Agência Brasil

Publicado originalmente no site Brasil de Fato

POR CRISTIANE SAMPAIO

A luta das comunidades tradicionais contra o avanço da covid-19 ganhará importante reforço neste domingo (9), com um evento virtual que lembrará o Dia Internacional dos Povos Indígenas, historicamente comemorado na data. Organizada pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), uma live contará com a presença de centenas de parceiros e personalidades, entre indígenas e não indígenas.

O evento ocorre em meio à escalada do número de casos de coronavírus nas comunidades, que somam atualmente 23.339 pessoas contaminadas, com 651 mortes e 148 povos afetados pela doença. Os dados são da Apib, que contabiliza as ocorrências com dados dos próprios indígenas por meio de um monitoramento nacional.

“O que nós temos é um sabor de sangue, de desespero, de morte. O que o Estado brasileiro está fazendo conosco é desumano, é algo que só foi visto em momentos extremos na história do Brasil, como a ditadura militar, e hoje nós temos o dissabor de estar passando por tudo isso. Não bastasse a inoperância do Estado, ainda veio o coronavírus pra agravar tudo isso”, disse ao Brasil de Fato Dinamam Tuxá, da coordenação-executiva da entidade.

Ele sublinha que a live deste domingo pretende ampliar a ressonância da luta popular pelos direitos indígenas. A Apib, assim como outras organizações que envolvem o segmento, tem se somado a especialistas, artistas e diferentes apoiadores para cobrar políticas públicas mais efetivas direcionadas às comunidades em meio à pandemia.

O tema será o foco do evento deste ano, batizado de “Maracá – Emergência Indígena”, em referência a um dos instrumentos artesanais tipicamente utilizados pelos povos tradicionais para a produção de sons. A ideia é potencializar o coro por direitos, que contará com nomes como Maria Bethânia, Criolo, Ai Weiwei, Caetano Veloso, Camila Pitanga, Philip Glass e Chico Buarque.

“É uma forma que nós encontramos de buscar apoio de artistas e uma comoção nacional, dando visibilidade a tudo que vem ocorrendo com os povos indígenas diante da omissão do Estado brasileiro em não ter um plano estrutural pra combater o coronavírus dentro das terras indígenas”, destaca Tuxá, que é um dos participantes da live, que contará ainda com a presença de Sonia Guajajara, Cacique Raoni, Nara Baré, Joenia Wapichana, Kretã Kaingang, Davi Kopenawa e diversos outros nomes indígenas de destaque.

A transmissão do evento terá início às 17 horas, na página da Apib no Youtube.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!