Dívida chega a 95% do PIB, dólar vai a R$ 5,70. E antes da 2ª onda chegar aqui. Por Fernando Brito

Publicado originalmente no blog do autor

Por Fernando Brito

Notas de R$ 200 – Foto: Banco Central

O Brasil está mais perto de cumprir a profecia do FMI e terminar 2020 com uma dívida pública superior ao seu Produto Interno Bruto.

O risco-país subiu 80% este ano, o Tesouro paga juros muito maiores que os da taxa oficial Selic e embola para o curto prazo o maior número de vencimentos de seus compromissos, quando o ideal seria o alongamento dos prazos.

O dólar encostou, neste momento, nos R$ 5,70, 42,5% de valorização desde o dia 1° de janeiro.

As pressões inflacionárias causadas pelo câmbio, portanto, não vão ceder tão cedo. Inflação para cima, ficando quase no dobro dos juros oficiais.

Tempo fechado por aqui, tempestade se desencadeando lá fora: além do número de casos recorde, a Europa começou a registrar uma aumentos espetacular no número de mortes.

Na França, o número de mortes chegou a 523 num único dia, o que não se alcançava desde abril. Reino Unido e Itália, respectivamente, 327 e 221 óbitos, o que não se via desde meados de maio.

Vão fechar suas cidades, é claro, mesmo com menos intensidade (e progressivamente mais e mais) e as economias vão perder boa parte do que recuperaram desde junho.

Do outro lado do Atlântico, metade dos eleitores norte-americanos já votaram antecipadamente, o que reduz a zero a chance de Trump virar o jogo, se for verdadeiro o que as pesquisas indicam neste momento.

Quem se aventurar, num quadro como este, a fazer previsões econômicas ou políticas tem quase certeza do erro.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!