Doria e o pancadão de Paraisópolis. Por Helena Chagas

João Doria (PSDB) (Miguel Schincariol/AFP)

PUBLICADO NO DIVERGENTES

POR HELENA CHAGAS

Com pretensões presidenciais, o governador de São Paulo, João Dória, vem tentando se distinguir de Jair Bolsonaro e sua turma como uma opção conservadora mais palatável e civilizada. Uma direita limpinha e cheirosa, mais liberal nos costumes, politicamente correta  em temas como o repúdio à ditadura e a defesa de valores democráticos. Mas Doria vive agora um teste decisivo com a ação troglodita da PM de São Paulo que resultou na morte de nove jovens num baile funk em Paraisópolis.

Todos os indícios — e não há como negar vídeos, esconder ferimentos e calar depoimentos — mostram que a operação Pancadão foi mais uma lamentável demonstração do retrocesso civilizatório que atingiu o país depois das eleições de 2018. A violência policial, os abusos das autoridades que têm a força e o desrespeito em relação a direitos humanos estão, aos poucos, sendo naturalizados. Discute-se o excludente de ilicitude — na verdade, uma licença policial para matar — como se fosse banalidade.

Não é. Mas a brutalidade, estimulada pelo poder público, passou a ser aceita por alguns, na ilusão de que ela só atinge os “bandidos” nas periferias, e que eles merecem. Nao é assim. Um dia, o seu filho pode estar no baile. E, se não houver um freio a essa onda por parte de quem foi eleito para governar para todos, um dia ela vai engoli-los também.

Dória cobrou investigações rigorosas e responsabilização dos culpados — o discurso praxe dos governantes nesses momentos. É muito pouco. A morte brutal dos jovens de Paraisópolis em razão da violência policial exige demissões, corte de cabeças e intervenção profunda na PM de São Paulo.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!