Doria se beneficia do Butantã, que ele já quis vender

A imagem de salvador da pátria de Doria diante da crise da falta de vacinas poderia não estar tão polida hoje. E por culpa dele mesmo.

Em Davos, no ano de 2019, Doria estava ao lado de Paulo Guedes, Sergio e Moro e o agora arqui-inimigo Bolsonaro, onde ofereceu o Instituto Butantan a investidores internacionais.

Com executivos da indústria farmacêutica Merck, João Doria tentou vender o Butantã afirmando que, privatizado, poderia ser “o maior fabricante de vacinas do mundo”.

O mesmo Butantã que agora serve como plataforma para lançamento de sua caminhada rumo a 2022.

Assista o vídeo:

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!