É absurdamente cedo para avaliar o segundo mandato de Dilma. Por Paulo Nogueira

Começo de jogo ainda
Começo de jogo ainda

Uma das coisas mais difíceis é enxergar o óbvio.

Lula,em sua visita ao Acre, mostrou que é muito bom nisso.

Ele lembrou algo que todo mundo parece ter esquecido no calor das discussões políticas: Dilma está há apenas cinco meses em seu segundo mandato.

É cedo, absurdamente cedo, para um julgamento definitivo.

Num jogo de futebol, seria o equivalente a tecer considerações com base em dez minutos de partida.

Tirada toda a espuma, o que há de concreto neste começo de Dilma 2?

A Petrobras acabou? Não.

O dólar desembestou? Não.

A inflação saiu do controle? Não.

O desemprego deslanchou? Não.

Note: tudo isso, e muito mais, era propagado freneticamente pela imprensa e por políticos como Aécio e FHC.

De concreto, o que existe é que, como basicamente todos os países do mundo, o Brasil vai enfrentar um 2015 desafiador na economia.

As previsões giram em torno de uma queda de 1% no PIB. Não é muito diferente do cenário de outros países.

A Rússia, para ficar num caso, trabalha com a hipótese de uma redução de 5% no PIB.

A própria China dos 14% de crescimento anual refez para baixo suas contas. Se avançar 7% em 2015, a China vai fazer muita festa.

Há um fator psicológico neste outono do descontentamento brasileiro.

A palavra-chave, aí, é “ajuste”.

Acho que o governo deveria, espertamente, ter trocado “ajuste” por qualquer outra coisa: “acerto”, “equilíbrio” etc.

Se você olhar sem paixão, vai entender que ajuste é uma coisa rotineira na vida das pessoas, das empresas e dos países.

O que faz a diferença é o teor dos cortes.

Em meus dias de executivo de mídia, promovi vários ajustes. Estávamos gastando além de nossas possibilidades e de nossas receitas.

Sempre procurei poupar, nos cortes, o conteúdo. Evitei demitir jornalistas e coisas do gênero.

Num governo é a mesma coisa. Cortes de despesas muitas vezes são vitais para que, logo depois, você volte a crescer mais.

Dilma está fazendo um acerto, e Aécio também faria.

Qual seria a diferença?

Dilma tem um compromisso com os “descamisados”. E Aécio é um homem do 1%.

Nos primeiros quatro anos, os fatos comprovaram o foco social de Dilma.

Agora é uma nova etapa.

Dizer que ela esqueceu os pobres neste momento, com cinco meses de mandato, é uma afirmação míope, cínica ou, simplesmente, tola.

Há que esperar.

Quando se trata de governo, você julga pela floresta, e não por uma árvore.

Dilma pode fazer um péssimo segundo governo, é verdade. Mas ainda é mais verdade que não existe a mais remota base para afirmar isto agora, em maio de 2015.

O maior talento de Lula talvez seja o de ver as coisas óbvias quando outros políticos, incluídos gente de seu próprio círculo, enxergam brumas e interrogações.

No Acre, ele fez isso.

Voltando à parábola futebolística, é como se você estivesse na arquibancada e, logo no começo do jogo, alguém gritasse, ululante: “Perdemos!”

Você diria: “Calma. Deixa o jogo ser jogado.”

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!