É o fim dos Estados Unidos?

O intelectual americano Noam Chomsky fala sobre o futuro de seu país.

"A própria fundação da ordem internacional é de que os Estados Unidos tem o direito de usar violência quando acharem conveniente."
“A ordem internacional éstabelece que os Estados Unidos têm o direito de usar violência quando consideram conveniente.”

O artigo abaixo é um trecho adaptado do livro “Power Systems: Conversations on Global Democratic Uprisings and the New Challenges to U.S. Empire”. (Numa tradução livre, “Sitemas de Poder: Conversas Sobre Insurreições Democráticas e os Novos Desafios do Império Americano”.) Trata-se de uma entrevista feita pelo jornalista David Barsamian com Noam Chomsky, um brilhante e contovertido crítico de seu país.

Os Estados Unidos ainda têm, como antigamente, o mesmo nível de controle sob os recursos energéticos do Oriente Médio?

Os países que mais produzem energia continuam firmemente sob controle de ditaduras apoiadas pelas potências ocidentais. Na verdade, o progresso feito pela Primavera Árabe é limitado, mas não insignificante. O sistema ditatorial controlado pelo Ocidente está erodindo há algum tempo. Por exemplo, se você voltar cinquenta anos, os recursos energéticos – a principal preocupação dos planejadores americanos – foram, em sua maioria, nacionalizados. Há tentativas constantes para reverter isso, mas sem êxito.

Pensemos na invasão americana ao Iraque, por exemplo. Para todo mundo exceto para um ideólogo dedicado, estava bem claro que invadimos o Iraque não por nosso amor pela democracia, e sim porque o país é talvez a segunda ou terceira maior fonte de petróleo no mundo, e está bem no meio de uma região próspera de produção de energia. Mas você não deve dizer isso. É considerado uma teoria conspiratória.Os Estados Unidos foram derrotados no Iraque pelo nacionalismo iraquiano – principalmente pela resistência sem violência. Os americanos podiam matar os insurgentes, mas não conseguiram lidar com o meio milhão de pessoas se manifestando nas ruas.

Passo a passo, o Iraque foi capaz de desmantelar os comandos colocados no local pelo exército que o ocupava. Em novembro de 2007, foi ficando bem claro que os americanos teriam bastante dificuldade em atingir seus objetivos. O controle do Iraque está desaparecendo diante de nossos olhos. As políticas americanas permanecem constantes, desde a Segunda Guerra Mundial. Mas a capacidade de implementá-las está declinando.

Declinando porque a economia enfraqueceu?

Parcialmente porque o mundo está se diversificando. Há centros de poder mais diversos. No final da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos estavam no auge. Detinham metade da riqueza mundial e qualquer competidor poderia ser seriamente prejudicado ou destruído. Tinham uma posição de segurança inimaginável e desenvolviam planos para, essencialmente, reger o mundo – não irrealisticamente, pelo menos naquela época.

uas
Cartaz da Segunda Guerra, quando o poder americano estava no auge

A primeira grande resistência à hegemonia americana foi em 1949. Foi “a perda da China” , como os líderes americanos disseram, É uma expressão interessante, e nunca contestada.  Houve uma grande discussão sobre quem era responsável pela perda da China. Tornou-se um enorme problema doméstico. Mas é uma expressão interessante. Você só pode perder uma coisa quando já a teve. E eles declaravam: possuímos a China – e, se eles se movem para a independência, perdemos a China. Depois, vieram preocupações como “a perda da América Latina”, “a perda do Oriente Médio”, “a perda de” certos países, todas baseadas na premissa de que possuíamos o mundo e de que tudo o que sai de nosso controle é uma perda para nós e pensamos em como recuperá-lo.

Hoje, se você ler, digamos, jornais de política externa ou, de forma ridícula, ouvir debates republicanos, eles estão se perguntando: “Como podemos nos prevenir de futuras perdas?”

Por outro lado, a capacidade de preservar o controle tem declinado. Lá por 1970, o mundo já estava no que era chamado de tripolar economicamente, com um centro industrial americano localizado Estados Unidos, um centro europeu localizado na Alemanha, mais ou menos comparável em tamanho, e um centro asiático, localizado no Japão. Desde então, a ordem econômica global tornou-se muito mais diversa. Então é mais difícil dar continuidade às nossas políticas, mas os princípios ocultos não mudaram muito.

Tome, por exemplo, a doutrina de Clinton. A doutrina de Clinton era que os Estados Unidos estavam autorizados a voltar-se para a força unilateral para assegurar-se de “acesso desinibido a mercados-chaves, produtores de energia e recursos estratégicos.” Isso chega a ser mais do que o que George W. Bush disse. A crença de que estamos autorizados a isso continua até os dias de hoje. Também continua sendo parte da cultura intelectual.

Logo depois do assassinato de Osama bin Laden, no meio de todas as saudações e aplausos, houve alguns comentários críticos questionando a legalidade do ato. Séculos atrás, havia algo chamado presunção de inocência. Se você detinha um suspeito, ele era um suspeito até que o contrário fosse provado. Ele deveria ser levado para o tribunal. Isso é parte da lei americana. Você pode rastreá-la até a Magna Carta.

Os Estados Unidos são a favor da estabilidade. Mas você deve se lembrar do que significa estabilidade para eles. Significa conformidade às ordens americanas. Por exemplo, uma das acusações contra o Irã é que o país está desestabilizando o Iraque e o Afeganistão. Como? Tentando expandir sua influência aos países vizinhos. Por outro lado, nós “estabilizamos” países quando os invadimos e os destruímos.

Depois da derrubada de Mubarak no Egito, ele enfrentou acusações criminais. Hoje, é inconcebível que líderes americanos venham a ser acusados por seus crimes no Iraque ou em qualquer outro lugar. Isso pode mudar?

A ordem internacional estabelece que os Estados Unidos têm o direito de usar violência quando acharem conveniente. Então como é que alguém pode ser acusado?

E ninguém mais tem esse direito.

É claro que não. Bem, talvez nossos clientes tenham. Se Israel invade o Líbano, mata milhares de pessoas e destrói metade do país, tudo bem, está tudo certo. Isso é interessante. Barack Obama era senador antes de ser presidente. Ele não fez muitas coisas como senador, mas fez algumas, incluindo uma da qual se orgulhava particularmente. Se você olhasse em seu site antes das primárias, ele realçava o fato de que, durante a invasão israelense ao Líbano em 2006, ele copatrocinou uma resolução do Senado que demandava que os Estados Unidos não fizessem nada para impedir as ações militares de Israel até que tivessem sido conquistados os objetivos. Outros clientes também o herdam, de vez em quando. Mas esse direito reside de verdade em Washington. É isso o que significa possuir o mundo. Outros países não têm propósitos. O propósito da América, por outro lado, é “transcendente”: levar liberdade e justiça ao resto do mundo.

O ativista e estudioso Noam Chomsky, de 84  anos,  considerado por muitos o maior intelectual vivo.
O ativista e estudioso Noam Chomsky, de 84 anos, um dos maiores intelectuais vivos

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!