Eike preferiu a Espanha ao Brasil

Com bilhões de dólares pendurados no BNDES,  o mínimo que ele poderia fazer é preferir empresas nacionais como parceiras, mas ele optou pela FCC espanhola numa grande obra.

Eike, usuário pesado do BNDES, e a namorada Flávia
Eike, usuário pesado do BNDES, e a namorada Flávia

Com bilhões de dólares emprestados pelo BNDES, e mais ajuda do governo a caminho para seus negócios,  o Brasil tem sido generoso  com o empresário Eike Batista.

Sendo esse o caso, e indo mal os seus negócios, dependentes cada vez mais de dinheiro público, o mínimo que ele poderia fazer seria preferir, sempre, empresas nacionais como parceiras, e criar empregos no Brasil.

É estranho, portanto, que para as obras do Porto de Açu, no Rio de Janeiro, a LLX, de Eike Batista, tenha escolhido para a construção de um gigantesco cais, com estrutura pré-moldada, uma empresa espanhola, a FCC – Fomento de Construcciones y Contratas.

Mesmo considerando-se que essa empresa possa ter mais know-how em construção de portos  – e que alguns pretendem prestar generosa ajuda à Espanha – seria necessário, no presente caso, se obter um mínimo de contrapartida.

As condições do contrato, no valor de 448 milhões de dólares,  deveriam incluir a obrigatoriedade da realização de um consórcio com uma empresa brasileira para a execução da obra.  Quando a encomenda envolve dinheiro público, essa é uma exigência comum em muitos países do mundo.

Nos EUA, por exemplo, a EMBRAER, para fornecer 20 aviões ao governo dos Estados Unidos, foi obrigada a se unir minoritariamente a uma empresa local para construir e inaugurar  nova fábrica na Flórida.

Em Açu, essa empresa espanhola foi contratada diretamente, sem exigência de acordo local, e, muitíssimo mais grave, sem a exigência sequer de construir, no Brasil, as peças pré-fabricadas usadas para a execução do projeto.

Como resultado, 700 empregos deixaram de ser criados em nosso país e foram transferidos para  Algeciras na Espanha. Ali foram armados e concretados 10 gigantescos caixotes de concreto com 45 metros de comprimento, 24 de largura, e 18 de altura, e 10.000 toneladas cada um (ver foto). Cinco deles estão atravessando o oceano nesse momento em uma viagem de quase 8.000 quilômetros rumo ao Brasil.

Será que no Brasil de Itaipu, de Oscar Niemeyer, e do BNDES, banco que empresta dinheiro ao Sr. Eike Batista, não havia ninguém capaz de produzir aqui mesmo esses caixotes de concreto armado? Se esses cubos  tivessem sido pré-moldados no Brasil, ficariam muito mais baratos.

Há ainda que considerar os custos  de içá-los para o convés de um navio semi-submersível e atravessar com eles o oceano.

A PEMEX, companhia de petróleo mexicana, interessada em tecnologia de certo estaleiro ibérico, não teve dúvida.  Foi até lá, na semana passada, e comprou o controle do negócio.

No Brasil, usamos bilhões de dólares dos recursos públicos para financiar multinacionais espanholas, como ocorreu com a Vivo.

Ou perdoamos suas dívidas aos bilhões de reais, como o CARF perdoou ao Santander, para que continuem explorando nosso povo, e sigam enviando, todos os anos, bilhões e bilhões de euros em remessa de lucros para a Espanha

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!