#Elenão: a “fraquejada” que derrotou Bolsonaro e vai salvar o Brasil. Por Tiago Barbosa

POR TIAGO BARBOSA

Quando a sombra do fascismo ameaça cobrir nossa instável democracia, o grito de luz se espraia pela força, coragem e alma femininas.

É simbólico partir das mulheres a resistência nas ruas contra a opressão do discurso de ódio, da apologia à intolerância, da violência de gênero.

A mobilização nacional fez dos corpos a atitude política e ocupou com cânticos e união os espaços de uma luta diária contra o machismo – redivivo no retrocesso impregnado no exército zumbi de um Bolsonaro.

O coro contra o ex-militar dissipou diferenças de classe, de idade, de credos e cores para devolver a uma sociedade amedrontada pela desesperança o direito de voltar a sonhar.

O protesto feminino foi, também, a inversão óbvia da sórdida tentativa midiática de normalizar o fascismo ao equiparar os dois candidatos mais bem posicionados nas pesquisas.

Indignada com a ascensão fulminante de Haddad, a imprensa hegemônica tem igualado o petista à conduta anti-democrática de Bolsonaro – embora seja nítido o truque pró-direita da manobra conceitual.

De um lado, o candidato da extrema-direita ameaça um golpe, se recusa a aceitar o veredito das urnas e prega o extermínio, literalmente, dos adversários.

A maquiagem interpretativa da mídia compara o pacote fascista ao legítimo protesto do PT contra a fraude de uma eleição sem Lula – referendado pela ONU, por juristas, políticos e intelectuais internacionais do calibre de Noam Chomsky.

Representante de Lula na disputa, Haddad é tachado de risco democrático porque o partido não faz autocrítica ou condena o regime de Maduro, diz editorial da Folha de São Paulo.

Mas o jornal se esquece de cobrar autoanálise semelhante de outros partidos e fecha os olhos à situação de penúria argentina, coincidentemente (mal) governada pelo direitista e ex-idolatrado Macri.

A falsa equivalência entre um fascista declarado e um democrata histórico ameniza a ameaça da ultradireita e está na raiz do ódio irracional contra o PT e as minorias sempre representadas pelo partido – justamente o discurso de aniquilamento combatido na manifestação feminina do #elenão.

Não por acaso, o único extremo enfrentado nas ruas, hoje, atende pelo nome de Jair Bolsonaro.

As TVs, o jornalismo “imparcial” e os âncoras da indiferença podem até se omitir de retratar com fidelidade as circunstâncias e o impacto da marcha das mulheres.

É praxe silenciar as ruas quando confrontam privilégios. E toda omissão é, em si, a revelação de uma posição politica, claramente à direita no espectro político neste caso.

Não importa.

O 29 de setembro sacramenta o #elenão e reforça uma nova ordem: elas sim.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!