Cuba precisa de transparência

Uma nação não deve sentir vergonha, mas, sim, orgulho de colocar a casa em ordem

A falta de transparência do governo aumenta o fluxo de rumores
A falta de transparência do governo aumenta o fluxo de rumores

O artigo abaixo foi publicado originalmente no site da BBC Mundo
DE HAVANA

Cuba é um país de boatos, a Rádio Rumor – a transmissão oral de um cubano para outro, em toda a ilha, é o meio pelo qual os cidadãos se mantêm informados e, por vezes, desinformados sobre os mais delicados assuntos da realidade nacional.

Nos últimos anos, relatos conflitantes circulam sobre personalidades importantes. As histórias vão desde casos de corrupção grave até de políticos recrutados pela CIA.

“Você não pode acreditar em ninguém”, disse um antigo professor sobre o desvio de recursos que teria ocorrido em várias das empresas ligadas ao historiador de Havana Eusebio Leal, um dos intelectuais mais respeitados dentro e fora de Cuba.

Diz um velho ditado que “onde há fumaça, há fogo”, mas isso em Cuba equivale a um incêndio. A mídia do exterior sugeriu imediatamente que Leal é cúmplice da corrupção de seus subordinados.

Até mesmo os funcionários do governo têm-me perguntado o que eu conheço da matéria, não sei se por estarem realmente interessados em obter informações ou para “testar” o público, embora seja provavelmente uma soma de ambos.

Outro boato que viaja o país é sobre o presidente do parlamento cubano, Ricardo Alarcón, um comunista histórico que não está mais na lista dos membros nomeados para as próximas eleições sem nenhuma explicação até agora.

Coincide com a prisão de seu braço direito Miguel Alvarez. Não há qualquer informação oficial, mas a história nas ruas é que “Miguelito” foi recrutado pela CIA e estaria enviando informações através de sua esposa.

Muito antes, o general cubano Rogelio Acevedo, veterano de Sierra Maestra, foi removido de seu posto de chefe da Aviação Civil. Pouco tempo depois se descobriu que se tratava de um sério caso de corrupção.

A luta contra a corrupção nas altas esferas está produzindo efeitos, com dezenas e dezenas de dirigentes na prisão, removidos e substituídos.

Ministros, vice-ministros, diretores de grandes empresas, gestores e administradores sentem que as coisas mudaram, finalmente, e as armas estão apontadas para os “filhinhos de papai” ou para os próprios pais.

No entanto, a falta de transparência do governo nesses casos aumenta o fluxo de rumores que circulam em todo o país e é ampliado em Miami, criando a impressão de que todos são corruptos e não se pode confiar em ninguém.

Um trabalhador que faz uma besteira pode ser admoestado publicamente. Por que não aplicar a mesma política para aqueles que fizeram muito mais dano para a economia nacional?

A corrupção não é exclusiva de Cuba e do socialismo. Ela está presente em todos os países de qualquer ideologia. Ninguém está imune. Aparece entre empresários, políticos, advogados, juízes, banqueiros, construtores, soldados, jornalistas e bilionários.

Eu não acho que estejamos testemunhando em Cuba o aumento da corrupção de “colarinho branco”. Uma nação não deve se sentir envergonhada, mas orgulhosa de colocar a casa em ordem e lavar a sujeira.

Mas uma maior transparência nesses processos envia uma mensagem mais clara para aqueles que gerenciam recursos públicos. Isso elimina rumores maliciosos, protege a integridade das pessoas inocentes e dá a verdadeira dimensão do problema.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!