Enquanto Bolsonaro silencia, líderes europeus cumprimentam Biden pela vitória. Por Willy, de Paris

Donald Trump

“Parabenizo calorosamente o presidente eleito Joe Biden e a vice-presidenta eleita Kamala Harris. A votação recorde expressa o desejo do povo americano por mudança”, disse Josep Borrell, comissário de relações exteriores da União Europeia no Twitter.

“Um grande dia para os Estados Unidos e a Europa. Não vemos a hora de trabalhar juntos com a nova administração para reconstruir nossa parceria”.

Uma das primeiras personalidades políticas europeias a celebrar a vitória democrata foi a prefeita de Paris Anne Hidalgo.

“Seja bem-vinda de volta, América! Minhas felicidades a Joe Biden e Kamala Harris por esta eleição! Agora que celebramos os cinco anos do Acordo de Paris, esta vitória é mais do que nunca um belo símbolo para agir juntos diante da urgência climática”.

Ela também retuitou com emojis de flores o vídeo de Kamala ligando para Joe Biden para contar a notícia: “conseguimos, Joe (We did it)”.

“Temos muito a fazer frente aos desafios de hoje. Ajamos juntos”, publicou o presidente francês Emmanuel Macron em sua conta no Twitter.

O partido do presidente francês Emmanuel Macron parabenizou igualmente os novos presidente e vice-presidente dos Estados Unidos. “Esse retorno dos progressistas ao poder nos Estados Unidos é uma esperança para todos!”, publicou no Instagram.

Líder do Acordo de Paris, o ex-presidente francês François Hollande também foi ao Twitter celebrar os novos habitantes da Casa Branca: “A eleição de Joe Biden é uma boa notícia para a democracia americana, uma boa notícia para o planeta com o retorno dos Estados Unidos ao acordo pelo clima. E uma nova oportunidade para a Europa se ela conseguir refundar uma parceria transatlântica”.

A primeira-ministra alemã Angela Merkel publicou no Instagram: “Parabéns! Os cidadãos americanos decidiram. Joe Biden torna-se o 46º presidente dos Estados Unidos da América. Desejo-lhe sinceramente sorte e sucesso, e também parabenizo Kamala Harris, a primeira vice-presidente eleita de seu país.”

“Estou ansiosa para trabalhar com o presidente Biden no futuro. Nossa amizade transatlântica é insubstituível se quisermos vencer os grandes desafios desta época”, completou.

Antigo aliado de Trump, o secretário de relações exteriores do Reino Unido Dominic Raab parabenizou seus novos colegas de trabalho, observou que o presidente derrotado “trabalho duro” para ganhar, mas afirmou no Twitter que: “não vejo ahora de trabalhar com a nova administração. A amizade do Reino Unido com os Estados Unidos sempre foi a força para o bem do mundo”.

O presidente de governo espanhol Pedro Sanchez parabenizou os vitoriosos americanos no Twitter: “Parabéns Joe Biden e Kamala Harris. Desejamo-lhes sorte. Estamos preparados para cooperar com os Estados Unidos e fazer frente aos desafios globais”.

O vice-presidente de governo espanhol Pablo Iglesias também celebrou os resultados. “uma boa notícia para o planeta, na medida em que a extrema-direita global perde seu ativo político mais poderoso. Mas a ultradireita que só aceita a democracia ganha, segue sendo um enorme perigo para a América e Europa”, alertou.

Quem também parabenizou os novos eleitos americanos foi António Costa, primeiro-ministro português, no Twitter. “Parabéns ao Presidente eleito Joe Biden. Espero que em breve possamos trabalhar no reforço das relações transatlânticas e na gestão de assuntos globais, como as alterações climáticas, a defesa da democracia e a segurança internacional”, publicou no Twitter.

“Parabéns ao povo americano e às instituições pela admirável vitalidade democrática. Estamos prontos para trabalhar com o presidente eleito Joe Biden para fazer a relação transatlântica mais forte. Os Estados Unidos podem contar com a Itália como um sólido aliado e parceiro estratégico”, afirmou Giuseppe Conte, presidente do conselho de ministros da Itália.

Na Itália, o Partido Democratico disse através de seu secretário nacional Nicola Zingaretti nas redes “Vai Biden!” e também expressou esperança: “Com Joe Biden 46o presidente dos Estados Unidos, abre-se um novo tempo de esperança e diálogo não só para a América, mas para todo o mundo. Uma grande alegria para nós democratas, uma mensagem de unidade para todos os progressistas”.

“A Europa e os Estados Unidos compartilham um sistema de valores, os quais defendemos. Nao vejo a hora de trabalhar para nossa futura cooperação”, parabenizou Sebastian Kurz, primeiro-ministro da Áustria.

A reação da classe política europeia não ocorreu no entanto na mesma velocidade. O silêncio do aliado de Trump e primeiro-ministro inglês Boris Johnson chamou a atenção da deputada inglesa Caroline Lucas no Twitter: “Vamos Boris Johnson! Quando vai parabenizar Joe Biden e Kamala Harris?”

As personalidades políticas europeias ansiavam vividamente por esse resultado. Sua reação é de alívio. Isso porque a gestão Trump representou uma ruptura na tradicional aliança transatlântica que caracterizava a relação entre ambos principalmente desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

Grosserias como a recusa de Trump de apertar a mão da primeira-ministra alemã Angela Merkel e novas taxas impostas a produtos europeus esfriaram a relação dos dois lados, fazendo com que os líderes europeus entendessem que deveriam reforçar sua autonomia em termos de defesa, indústria e comércio, o que não aconteceu.

A vitória de Biden é portanto a esperança de poder voltar a contar com proteção americana diante do que os líderes políticos europeus entendem como ameaça russa e chinesa, além da derrubada das tarifas impostas por Trump e a volta a um diálogo respeitoso e digno.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!