Esfuziantes depois da eleição no Senado, Dallagnol e Carlos Fernando não poupam nem o presidente do STF

Carlos Fernando e Dallagnol

Carlos Fernando dos Santos Lima ainda é procurador da república, embora não trabalhe mais na Lava Jato.

No entanto, continua na militância da força tarefa que se firma, cada dia mais, como uma organização política.

A exemplo de Deltan Dallagnol, comemorou a eleição de Davi Alcolumbre, na verdade a derrota de Renan Calheiros.

Mas não só isso.

Demonstrando indisciplina, postou no Facebook uma mensagem em que, reproduzindo texto de um site, afirma: “Novo presidente deve demitir Bandeira de Mello”, que é secretário geral da mesa do Senado e membro do Conselho Superior do Ministério Publico.

É aí que o calo aperta em Carlos Fernando.

Bandeira de Mello tem sido uma voz independente no Conselho Superior do Ministério Público e já denunciou abusos na Lava Jato, especialmente de Carlos Fernando, por ser ser comentarista de Facebook e atacar até quem investiga.

Ele agora se vinga, porque sabe que tem na presidência do Senado um subordinado de Jair Bolsonaro, que a Lava Jato ajudou a eleger.

Ele parece ver Renan Calheiros não como autoridade política que pode e deve ser investigado, mas como um inimigo. Escreveu:

“O melhor desse vídeo da renúncia de Renan Calheiros é ver que acabou aquele sorriso de superioridade dele.”

É uma indisfarçável manifestação de raiva.

Carlos Fernando também fez piada com o presidente do Supremo Tribunal Federal, José Antônio Dias Toffoli. Publicou a mensagem:

“Coitado de Toffoli, que perdeu uma noite de sono com este episódio para nada.”

É uma insinuação grave: dá a entender que Toffoli tinha interesse na eleição de Renan Calheiros e não estivesse apenas aplicando a lei e a Constituição.

Deltan Dallagnol compartilhou a mensagem de Carlos Fernando, como se os dois ainda fizessem dobradinha na Lava Jato — o Pink e o Cérebro.

Se fazem isso agora, imagine-se o que farão quando Dallagnol for colocado por Jair Bolsonaro na cadeira de Raquel Dodge, como quer Sergio Moro, e passar a chefiar o Ministério Público Federal.

Sobre Flávio Bolsonaro, sua conta milionária e sua ligação com as milícias, não dizem ou escrevem uma palavra.

E querem pagar de combatentes na luta contra a corrupção.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!