Esquerda “sairá do canto do ringue” com discurso humanista, apostam especialistas

Brasil vai às urnas neste domingo para votar nas eleições municipais

Originalmente publicado em BRASIL DE FATO

Por Vanessa Nicolav

Neste domingo, 15 de novembro, dia da República, mais de 147 milhões de brasileiros irão às urnas escolher os próximos vereadores e prefeitos de seus municípios. O pleito terá como marcas a de ter sido realizado durante uma pandemia e de ser o primeiro após a ascensão da extrema direita no país, em 2018, com a vitória eleitoral de Jair Bolsonaro e aliados.

Segundo especialistas, a eleição deste ano funcionará como termômetro da opinião pública sobre as correntes políticas identificadas com o bolsonarismo, que se destacaram nas últimas eleições, mas que atualmente veem sua influência cair drasticamente no eleitorado.

“O desencanto que marcou as últimas eleições estava muito localizado à esquerda. Foram muitos voto nulos e brancos, e os partidos de esquerda tiveram um desempenho eleitoral muito aquém do alcançado nas outras eleições. Por outro lado, Bolsonaro está com uma desaprovação crescente em todas as capitais do país. No caso específico de Porto Alegre (RS), ele teve 42% no primeiro turno (em 2018), e agora está com 49% de ruim e péssimo de avaliação nas pesquisas”, afirma Benedito Tadeu César, professor da UFRGS e cientista político.

Nesse contexto, candidaturas progressistas ganham importância especial, por terem como desafio conquistar os eleitores desapontados com os caminhos das correntes conservadoras, e principalmente, os indecisos, ou seja, aqueles que na última eleição se abstiveram ou votaram em branco ou anularam, e que somaram mais de 30 milhões de pessoas.

Para Cesar, mais do que denúncias de cunho moral, a melhor estratégia contra o bolsonarismo tem sido o foco no resgate de direitos. “Nós temos um desemprego que se a gente somar todos que estão parados com trabalho intermitente, chega a 60 milhões de pessoas. Nós temos uma perda de renda dos trabalhadores imensa. Não adianta ficar só na denúncia”, analisa.

Já o sociólogo e também professor da UFRGS, Jorge Branco, avalia que as campanhas que têm conseguido avançar no sentido de ganhar terreno contra as forças conservadoras são as que têm focado em uma agenda concreta e propositiva.

“Eu vejo a Manuela D´Ávila (candidata a prefeita de Porto Alegre pelo PCdoB), vejo o Boulos (Guilherme, candidato do PSOL em São Paulo), e a campanha deles não tem nada de radical de uma grande luta política. É Sistema Único de Saúde, escola, defender o emprego, microcrédito, são todas políticas de resgate de normalidade, resgate da civilização e resgate dos direitos fundamentais. Que levaram 70, 80 anos para chegar no patamar que chegou em 2010. E que em 4 ou 5 anos se desmancharam feito barro na chuva”, afirma Branco. “Eu acho que a esquerda está saindo do canto do ringue com um discurso humanista e civilizatório”, completa.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!