Esquerdista, gay e amigo de Marcelo Freixo: quem é Nitzan Horowitz, o novo ministro da Saúde de Israel

Marcelo Freixo e Horowitz, em encontro no Rio

Nitzan Horowitz, o novo ministro da Saúde de Israel, tem tudo para representar um problema a qualquer tentativa de aproximação do presidente brasileiro Jair Bolsonaro. Membro da Assembleia israelense (Knesset) desde 2019, esse jornalista de 56 anos é a antítese de tudo que o Bolsonaro diz que gosta e acredita.

Horowitz é um dos líderes do Meretz, partido da esquerda israelense, que defende bandeiras como o trabalhismo e a ecologia.

Horowitz também é um ativista dos direitos GLTB, sendo ele mesmo homossexual.

Sobre ele, escreveu Jean Wyllys, após um encontro entre os dois em Tel Aviv:

Horowitz tem um perfil público bastante parecido com o meu, já que atua em e articula todas as outras agendas dos Direitos Humanos. Depois de ter exercido dois mandatos de deputado e obtido 40% dos votos nas eleições para prefeito de Tel Aviv, Horowitz decidiu dar um tempo do parlamento e está concentrado em fazer política por meio da comunicação. O local de nosso encontro não poderia ser mais significativo. A praça leva o nome do primeiro-ministro israelense assassinado ali (onde hoje há um memorial em sua homenagem) por um extremista religioso judeu contrário aos acordos de paz com os palestinos.

Nitzan Horowitz me falou, com clareza, algo que eu já tinha percebido em minhas conversas com os ativistas do Ir Amim, com o pesquisador Avraham Milgram, do museu do Holocausto, com o escritor David Grossman e com parlamentares de partidos de esquerda e centro-esquerda: além do conflito entre palestinos e israelenses, existe outro tão importante quanto e cuja solução vai definir o rumo daquele: trata-se do conflito entre esquerda e direita; laicidade e religiosidade; estado de bem-estar social e neoliberalismo; e entre os que acreditam na solução pacífica da questão palestina e os que pretendem que ela seja resolvida pela força militar.

Nitzan Horowitz é categórico: Israel deve desocupar os territórios palestinos; retirar, destes, seus assentamentos ou colônias e firmar, com os representantes dos palestinos, um acordo de paz que parta do reconhecimento mútuo de dois estados soberanos, Israel e Palestina! Ele é fortemente crítico do governo Netanyahu – em sua opinião, um péssimo primeiro-ministro que promove a “fascistização” da sociedade israelense – e lamenta que a esquerda em Israel não tenha, hoje, um bom candidato para enfrentá-lo e vencer as próximas eleições. O cenário é difícil para a esquerda também porque, desde a morte de Yasser Arafat, não há um interlocutor no lado palestino com o qual seja possível estabelecer uma negociação da paz, já que a representação política desse povo se encontra fragmentada pelas disputas entre o Hamas, Al-Fatah e outros grupos.

Outro elemento importante da cena política israelense apontado por Horowitz é a disputa entre o que ele chama de “Estado Tel Aviv” – que corresponde aos modos de vida dessa cidade, mais cosmopolita, laica, liberal e de esquerda – e o conservadorismo de Jerusalém e outras regiões, onde o peso dos setores religiosos e da direita política é bem maior.

Em seu Facebook, fez a seguinte postagem sobre o desafio representado pelo Ministério da Saúde:

Entro no cargo de ministro da saúde com muita emoção e respeito.

O desafio imposto ao Ministério da Saúde é incrível.

Você, os funcionários e trabalhadores do consultório, os hospitais e os doentes caixas, os médicos e os médicos, irmãos e enfermeiros, as equipas médicas de todo o país têm imensa responsabilidade. Você é confiável para manter um direito fundamental central na máscara dos direitos humanos: o direito à saúde, e a realização deste direito a toda a população de Israel E a partir de hoje também estou ao seu lado.

Sem o direito à saúde, os direitos humanos e dos cidadãos não são mantidos. O nosso sistema de saúde, e a sua excelente infraestrutura humana, são pilares na manutenção deste valor fundamental. E sim, é primeiro e antes de tudo um valor e moral, que para suportá-lo é necessário promover igualdade, justiça, ajuda mútua e responsabilidade social.

O direito à saúde é nosso dever moral, garantir qualidade e igualdade de cuidados de saúde. Neste sentido, não há diferença se você é um Haredi de Bnei Brak, uma mulher trans de Tel Aviv, um árabe de Sakhnin ou um pensionista de Beer Sheva O direito de saúde cega às diferenças de religião, nacionalidade, estado económico, lugar de residência, idade, sexo ou orientação sexual. Aqui, no nosso sistema de saúde, todos estão incluídos sob uma definição – seres humanos.

O desafiador acordo com o Coronavírus nos lembrou de uma coisa importante. Um sistema de saúde pública forte é uma componente fundamental da resiliência nacional de todos os países. Esta crise difícil também foi a bela hora da saúde pública israelense. As bilheterias do hospital e os hospitais estrelaram e se destacaram, também a nível internacional. O sistema de saúde estabelecido de acordo com os princípios sociais-democratas do estado social, em que a percepção da justiça social está incorporada – é aquele que derrotou o Coronavírus. E ninguém assim ou outro. Não podes magoá-la. Não vou permitir. Vamos mantê-la segura e fortalecê-la.

Pessoal de saúde e equipas médicas em todos os cantos do país trabalharam à noite como dias para nos salvar desta crise difícil, que apoiou muitas vítimas e paralisou um país inteiro. Lado a lado, árabes e judeus, mulheres e homens – você nos lembrou que o sistema de saúde israelense é um dos melhores do mundo, e um exemplo exemplar de garantia mútua e existência comum. Verdadeiro orgulho nacional.

Como ministro da saúde trabalharei junto com vocês, para que o Ministério da Saúde seja o mês da lança dos direitos humanos em Israel Para reduzir a insuportável lacuna na qualidade do serviço entre o centro e a periferia. Para que todo cidadão, e toda pessoa que atende o sistema de saúde desfrute de tratamento profissional e igualitário.

Também estou aqui para fortalecer vocês, trabalhadores da área da saúde, e permitir trabalhar para o público. Estou aqui para garantir que nenhum julgamento estrangeiro penetre neste espaço. Para que possamos trabalhar de forma profissional e limpa. Não permitirei que aqueles com interesse e fatores corruptos prejudicem o profissionalismo, moralidade e integridade do nosso sistema de saúde.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!