Cartel das empreiteiras funciona ao menos desde os anos 1990, segundo delatores

Publicado em 14 novembro, 2014 3:51 pm

As nove principais empreiteiras investigadas na operação Lava Jato formaram um “clube” para desviar recursos de obras públicas, segundo depoimentos dos delatores do esquema. Na Petrobras, o cartel fraudou licitações e superfaturou contratos em pelo menos nove grandes empreendimentos, mediante o pagamento de suborno a dirigentes. O ex-diretor de Serviços Renato Duque, preso nesta sexta-feira (14), recebeu propinas de até R$ 60 milhões, conforme relataram os executivos da Toyo Setal Júlio Camargo e Augusto Mendonça de Ribeiro.

Nos depoimentos, os delatores do esquema — que esperam ter suas penas reduzidas após a colaboração com a Justiça — disseram que o cartel das empreiteiras funciona ao menos desde os anos de 1990 fraudando contratos. Entre elas, havia um grupo de VIPs, supostamente formado por Odebrecht, UTC, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e OAS, que tinha maior poder de “persuasão” para ficar com os melhores contratos.

Aos investigadores, Mendonça disse que na obra de modernização da Repar (Refinaria Presidente Getúlio Vargas), por exemplo, ele negociou o pagamento de propina diretamente com Duque. Segundo ele, já existia um entendimento entre o então diretor de Serviços e Ricardo Pessoa (presidente da UTC) de que todos os contratos do “clube” deveriam ter contribuições.

“O declarante negociou propina diretamente com Duque e acertou pagar a quantia de R$ 50 milhões a R$ 60 milhões, o que foi feito entre 2008 e 2011. Duque tinha um gerente que, agindo em seu nome, foi quem mais tratou com o declarante, chamado Pedro Barusco”, descreve o Ministério Público Federal em seu relatório. Autoridades da Suíça bloquearam US$ 20 milhões em nome de Barusco.

Saiba Mais: r7