‘Com FHC, era arroz com feijão. Agora, temos ar-condicionado e universidade’, diz filho de gari e doméstica

Publicado em 19 abril, 2016 9:41 am

Da BBC:

Morador da favela do Cantagalo, na Zona Sul do Rio de Janeiro, o universitário Ronaldo Marinho, de 21 anos, estuda administração de empresas, fala três línguas, e sonha alto. Quer morar no Canadá, país onde já estudou com uma bolsa em 2013, ajudar sua família, e depois voltar para “fazer uma revolução” no morro.

O jovem carioca, que se diz contrário ao impeachment da presidente Dilma Rousseff e a favor do governo do PT, avalia que os programas sociais recentes tiveram forte impacto em sua vida.

“Eu fiz curso técnico pelo Pronatec e estou cursando a universidade pelo ProUni. As duas experiências foram ótimas e eu sei que não poderia ter feito nada disso se não fossem essas iniciativas do governo. Votei na Dilma por conta dessas realizações”, conta.

Ronaldo vê avanços também na vida dos pais e dos vizinhos na comunidade onde nasceu.

“Meu pai sempre trabalhou como gari, e minha mãe, como doméstica. Os dois têm mais de 50 anos, e sou filho único. Vejo que a vida deles melhorou também. Não precisamos de Bolsa Família, mas muitos vizinhos têm o benefício, e vejo que ajudou a aumentar a escolaridade das crianças, porque as mães cobram mais frequência”, diz.

Pelo que seus pais contam, foram “tempos difíceis” nos quais “nunca faltou comida, mas era só arroz com feijão”.

“Hoje em dia muita coisa mudou. Meu pai diz que a vida era bem complicada. O que eu vejo é que nos últimos anos o poder aquisitivo da população mais pobre melhorou imensamente no Brasil. Se naquela época era só arroz com feijão, hoje a gente tem ar-condicionado. Não é um bem de consumo tão durável, mas dá um certo conforto”, explica.

“Houve uma série de projetos educacionais, de infraestrutura para comunidades, luz elétrica e saneamento básico que foram finalmente colocadas em prática no governo Dilma”.

Apesar da nítida defesa do governo atual e da contrariedade ao que classifica como “golpe”, o carioca diz acompanhar os desdobramentos do noticiário político e das acusações de corrupção.

“Eu acho que o impeachment não é certo, porque ela (Dilma) ganhou nas urnas. Quanto à corrupção, talvez eles possam ter feito, claro. Até o Instituto Lula parece que foi beneficiado. Agora, em nenhum momento nós vimos alguém bater o martelo e dizer que a presidente da República esteve envolvida. É óbvio que provavelmente ela estava junto, mas a confirmação de que ela coordenou ou participou dessas coisas não houve”, indica.

Sobre um eventual governo chefiado pelo atual vice-presidente Michel Temer, Ronaldo também tem opinião formada. Embora avalie que uma administração do PMDB não seria um retrocesso tão grande, o universitário acredita que os programas sociais seriam colocados em “segundo plano”.

“Com mais privatizações talvez aumentasse a arrecadação e aí o país não quebraria. Mas os preços subiriam também. Não seria de todo ruim, e de início os programas sociais seriam mantidos, mas depois não seriam prioridade. Eles colocariam a crise econômica, a parte industrial, tudo isso em primeiro plano, sem dúvida”, diz.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!