Comandante do Exército é preso após declarações políticas. No Uruguai

Publicado em 12 setembro, 2018 3:10 pm
Guido Manini Ríos (Foto: Reprodução)

Do Montevideo Portal, com tradução do DCM

O Poder Executivo decidiu punir o comandante-em-chefe do Exército, Guido Manini Ríos, com 30 dias de rigorosa detenção, por suas declarações contrárias à reforma da Caixa Militar e seu questionamento ao ministro do Trabalho, Ernesto Murro, segundo informa o Subrayado.

Manini Ríos disse que a reforma iria atingir os setores inferiores da Força e que ele tinha a obrigação de dizê-lo, porque ele era o “chefe” dos soldados. “Esta lei, como é aprovada, afeta toda a hierarquia, mas quem mais sofre com esta lei é o soldado e o sargento”, afirmou o oficial em entrevista ao programa “Todo Pasa” da Océano FM.

O comandante-em-chefe também criticou as declarações do ministro Murro, que sustentava que a reforma seria “generosa e gradual” e “benéfica” para os militares, já que contempla a especificidade dos membros das forças e dos anos de serviço.

“Eu só acho que ele não está bem informado, se o ministro fosse pegar uma calculadora e pegar os termos da lei e a realidade de nossos soldados, ele perceberia que o que estou dizendo é assim: o soldado terá que trabalhar mais anos para sair com metade de seu salário”, assegurou.

(…)

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube