“Foi um momento de fúria”, diz no júri bolsonarista acusado de matar Mestre Moa

Publicado em 21 novembro, 2019 7:54 pm

Do Correio 24 Horas:

Depois de 4h30 de sessão, o réu, o barbeiro Paulo Sérgio Ferreira de Santana, foi anunciado para dar seu depoimento no Tribunal do Júri, no Fórum Ruy Barbosa, na manhã desta quinta-feira (21).

Com o semblante tranquilo, confiando na estratégia de sua defesa, ele se sentou em uma cadeira em frente à juíza Gelzi Maria Almeida Souza, que preside o júri, para apresentar sua versão sobre o assassinato do mestre de capoeira Romualdo Rosário da Costa, o mestre Moa do Katendê. Entre as declarações, o homem afirmou que foi provocado e agiu em “um momento de fúria”.

Paulo Sérgio foi denunciado pelo Ministério Público do Estado (MP-BA) à Justiça pelo crime de homicídio qualificado – por futilidade e impossibilidade de defesa da vítima -, além de tentativa de homicídio contra o primo de Moa, Germínio do Amor Divino, 51, que também foi esfaqueado no braço direito no dia do crime, 8 de outubro de 2018.

Mestre Moa foi morto com mais de 10 facadas durante uma briga após uma discussão política no ano passado. Acusado pelo MP, Paulo Sérgio está preso desde o dia do assassinato, quando foi autuado em flagrante dentro da sua própria casa. Após audiência de custódia, o barbeiro teve a prisão preventiva decretada pela Justiça e aguardou o julgamento do Tribunal do Júri no Complexo Penitenciário da Mata Escura.

(…)

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!