Gilmar critica Ernesto por tornar o Brasil “pária internacional” e nega abertura de igrejas na pandemia

Publicado em 7 abril, 2021 6:45 pm

O final do voto do ministro Gilmar Mendes teve como alvo o governo Bolsonaro, negacionista na pandemia.

Gilmar julgou improcedente ação que pede abertura de igrejas em meio à pandemia e diz que Constituição não prevê um direito fundamental à morte. Para o ministro, o “STF deve estar atento a quem, sob vestes farisaicas, usa nome de Deus para sustentar esse direito à morte”. Faltam 10 votos na Corte.

LEIA – “Sopro de esperança”: voto de Gilmar Mendes contra liberação de cultos viraliza nas redes

E falou seu voto contra uma figura que marcou o governo:

LEIA MAIS – Gilmar critica André Mendonça em voto contra liberação de cultos: “Pensei que estava em Marte”

“Como queria o ex-chanceler, Ernesto Araújo, de nos tornarmos párias internacionais, nós produzimos essa façanha. De nos tornarmos esse párias internacionais, na âmbito da saúde. Temos 2,7% da população, mas 27% das mortes no planeta”.

“Nesse cenário é impensável invocar qualquer dever dever de Estado que implique a negação à proteção coletiva à saude (…) Ainda que qualquer vocação possa levar à escolha íntima de entregar a vida pela sua religião, a CF 88 ñ parece tutelar um direito fundamental à morte”.

“A essa sutil forma de erodir a normatividade constitucional, deve mostrar-se cada vez mais atento este Supremo Tribunal Federal, tanto mais se o abuso do direito de ação vier sob as vestes farisaicas, tomando o nome de Deus para se sustentar o direito à morte”.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!