“Guerra santa” faz mal ao Brasil, diz Marina ao defender Estado laico

Publicado em 4 setembro, 2018 3:01 pm
Marina Silva. Foto: Divulgação/Twitter

Do UOL

A candidata da Rede à Presidência da República, Marina Silva, afirmou que uma “guerra santa” entre religiões tem feito mal ao país e defendeu o respeito ao estado laico, sem impor o credo para aquele que pensa diferente. “Eu tenho uma fé, sim. Sou cristã, da Assembleia de Deus, já fui católica, fui quase freira, e acho que, num país democrático como o nosso, não se deveria estimular essa guerra santa. Isso está fazendo muito mal para o Brasil.”

A afirmação foi feita durante sabatina realizada pelo UOL, Folha de S.Paulo e SBT, na manhã desta terça-feira (4), após ser questionada sobre o slogan da campanha de seu oponente Jair Bolsonaro (PSL), que traz a frase “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”.

“Não acho que para ser presidente da República se deva deixar sua fé. E não é para impor a fé a ninguém. Pelo contrário, cada pessoa pode ter o credo que quiser ou não ter credo algum.”, afirmou.

A candidata da Rede afirmou ainda que, numa democracia, “as pessoas podem dizer o que elas quiserem, desde que não atentem contra os princípios e os valores da democracia”. “Se eu não defender a minha liberdade de expressão religiosa, como é que eu vou defender a liberdade de expressão religiosa das outras pessoas?”

(…)

Ainda de acordo com a candidata, quem defende o estado teocrático (submetido à religião) desconhece a própria história do movimento protestante do mundo. Marina também disse que os pedidos para que ela se explique sobre sua fé cresceram depois que ela se tornou evangélica e sugeriu sofrer preconceito por sua escolha religiosa.

“Eu tenho mais de 30 anos de vida pública e, quando eu era cristã católica, da esquerda, do Partido dos Trabalhadores, ninguém perguntava, mas eu defendia as mesmas posições que eu defendo hoje”, afirmou. “Talvez pelo fato de eu ser evangélica, da Assembleia de Deus, isso crie algum tipo de preconceito das pessoas em relação a mim. Mas na minha trajetória, de 16 anos como senadora, ninguém nunca vai encontrar um projeto, um posicionamento, uma frase que vá contra o estado laico. O estado é laico e tem que continuar laico.”

(…)