Hackers da Vaza Jato dizem que Moro usa prisão como tortura para que eles falem o que não têm para falar

Publicado em 12 novembro, 2019 7:28 pm

Do blog de Fausto Macedo

Os suspeitos de terem hackeado Moro e Dallagnol

Os hackers não estão sozinhos. Numa cela isolada da Papuda, em Brasília, os três suspeitos de terem invadido as mensagens privadas de Sérgio Moro e procuradores do Ministério Público dividem espaço com Geddel Vieira Lima, o ex-ministro do ex-presidente Michel Temer, preso depois que a PF encontrou uma fortuna de R$ 50 milhões em um apartamento ligado a ele.

No início de setembro, o Estado mostrou que o hacker Walter Delgatti Neto Moro se dizia “satisfeito com as amizades feitas dentro do presídio”, dentre elas a aproximação com Geddel.

Passados dois meses, Walter está mais próximo de Geddel. O ex-ministro, inclusive, se mudou para a mesma ala de Walter, a dos “vulneráveis”. Nela, estão presos apenas Geddel e os suspeitos de hackeamento, Danilo Cristiano Marques e Gustavo Elias Santos. (…)

“Os três consideram que a polícia já colheu o que tinha colhido de prova. A prisão está sendo usada como meio de tortura para eles falarem o que não têm para falar. Sentem um misto de tristeza com tortura”, disse Roque.

(…)