Morador de rua é agredido por seguranças de shopping de SP

Publicado em 13 março, 2018 5:58 pm

Da Folha:

​Primeiro caiu a peça de mortadela. Depois, caiu no chão o próprio homem de camisa polo verde que carregava o produto.

No chão, foi arrastado por dois seguranças por um corredor lateral em direção a uma sala protegida por uma porta corta-fogo. Pelo menos mais dois profissionais de camisa social branca e rádio preso à cintura entraram no lugar. Todos sem paletó. Durante cerca de dez minutos, os gritos do homem foram ouvidos pelos corredores do supermercado.

A cena aconteceu por volta das 17h30 do último domingo (11), no supermercado Master, que fica dentro do shopping Frei Caneca, na região central de São Paulo.

Segundo seguranças do estabelecimento ouvidos pela Folha no próprio dia, o homem seria conhecido por praticar furtos no local e havia saído sem pagar pela peça de mortadela. Por isso, foi imobilizado pela equipe de segurança e levado para a sala isolada, que fica no fim do corredor lateral externo do shopping. A Polícia Militar não foi chamada.

Ao ser liberado, o suspeito tinha arranhões no rosto, a mão direita com um ferimento que sangrava e dor nas costelas e nas costas. A camisa estava manchada de sangue. Deitado na frente do shopping, não conseguia se levantar sozinho.

Ele não quis chamar a polícia nem se identificar à reportagem. Contou apenas que tem 67 anos e que mora na rua. Disse também que foi agredido pelo grupo de seguranças e que, no chão, recebeu chutes na região das costelas e das costas.

Ainda negou que pratique furtos na região, mas não falou sobre a mortadela.

Detalhe da mão ferida e da camisa ensanguentada após a agressão
– Folhapress
Em nota, o shopping Frei Caneca afirmou que abomina qualquer ato de discriminação e de violência. E disse que notificou o supermercado, de quem espera pronunciamento e providências. Também esclareceu que os seguranças são contratados pelo lojista e que nenhum profissional do shopping esteve envolvido no caso.

Já o supermercado Master lamentou o ocorrido e afirmou que irá apurar os detalhes e punir os responsáveis, se for o caso. Segundo o estabelecimento, os seguranças são terceirizados e serão afastados até a conclusão da investigação. O Master ressaltou que a suposta conduta vai contra as políticas da empresa, que é de estrita obediência às leis.

Ainda na calçada da rua Frei Caneca, o homem tomou um analgésico e uma garrafa de meio litro de água, comprados com a ajuda de pessoas que passavam por ali. Depois, foi embora caminhando. Mancava.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube